Após incêndio, Pronto-Socorro do HBB deixará de atender casos de pequena e média complexidade

Em reunião nesta segunda-feira (16), grupo de vereadores pediu ao hospital para que reveja a decisão. Casos de urgência e emergência continuarão sendo atendidos, via entrada lateral.

0
Tapumes foram colocados em frente à sala de emergência, que foi atingida por incêndio no início do mês (Foto: Natalia Ribeiro)

Dúvidas acerca do atendimento do Hospital Bruno Born (HBB), de Lajeado, após um homem ter ateado fogo na sala da emergência foram discutidas em reunião na tarde desta segunda-feira (16), nas dependências da casa de saúde. A diretoria do hospital informou a um grupo de vereadores e representantes da prefeitura que não será mais feito o atendimento a casos de pequena e média complexidade no Pronto-Socorro (PS). Essa modalidade de suporte já não estava sendo ofertada desde o dia 1º de abril, quando o incidente ocorreu. A postura oficial é não voltar a abrir esse espaço à comunidade.


ouça a reportagem


 

A decisão do HBB foi repassada pela assessoria de imprensa da Câmara de Vereadores de Lajeado, que pode acompanhar a reunião. A reportagem do Grupo Independente esteve no local, mas não teve acesso ao encontro. Procurou ainda a direção do hospital para ofertar espaço de entrevista, só que não obteve sucesso. O presidente da Câmara de Vereadores de Lajeado, Eder Spohr (PMDB), discorda do posicionamento do HBB. “Nós, Câmara de Vereadores, gostaríamos que a porta da emergência, a porta da frente, continuasse aberta. Como aconteceu tantos e tantos anos em Lajeado. Nesse caso, uma pessoa com dor de garganta poderia ir caminhando ao PS e ser atendida. E isso a gente ainda está tratando.”

Encontro reuniu os poderes Executivo e Legislativo de Lajeado, além da direção da casa de saúde (Foto: Carolina Gasparotto / AI / Câmara Vereadores)

O Legislativo que propôs a reunião por conta de questionamentos da Casa. Participaram o presidente Spohr (PMDB); o líder de governo, Mozart Lopes (PP); e os membros da Comissão de Educação, Saúde, Meio Ambiente e Ação Social, vereadores Neca Dalmoro (PDT) e Ildo Salvi (Rede), além de Paulo Tori (PPL). Pela administração municipal, estava o secretário de Saúde, Tovar Musskopf. O representante diz que também pretende discutir mais esse assunto. “Nos próximos dias vamos nos encontrar novamente para verificar como será feito esse fluxo de atendimento. Rever a planta física do hospital. Daqui a pouco vão ser necessárias mudanças dentro das salas do HBB”, comenta Musskopf.

Conforme ofício divulgado na última sexta-feira (13), a ideia do Legislativo era pedir que a Emergência do hospital não fosse fechada após o incêndio. No entanto, durante a reunião desta segunda, o diretor da casa de saúde, Cristiano Dickel, teria esclarecido que os atendimentos de urgência e emergência continuam sendo feitos, por mais que a entrada da sala esteja fechada com tapumes. Agora os pacientes acessam a estrutura pelo estacionamento.

Estrutura da sala de emergência está fechada desde o dia 1º de abril (Foto: Natalia Ribeiro)

Tanto o presidente da Câmara de Vereadores quanto o secretário de Saúde acreditam que a conversa tenha sido positiva, principalmente por conta dos esclarecimentos envolvendo os casos de urgência a emergência. Mesmo assim, ambos concordam que ainda é preciso avançar em debates envolvendo a saúde de Lajeado após o fato.

Verba retida

A Prefeitura de Lajeado mantém convênio e destina recursos mensais para o HBB. Atualmente tramitam na Câmara de Vereadores dois pedidos de recursos para o hospital, totalizando R$ 662 mil. Na última terça-feira (10), antes da sessão do Poder Legislativo, o diretor da casa de saúde Cristiano Dickel solicitou aos vereadores que aprovem a destinação do dinheiro o quanto antes. Ele alega dificuldades financeiras por conta da falta de repasse do Estado. As dívidas com os fornecedores seriam de aproximadamente R$ 3 milhões.

O presidente Spohr diz que não há data prevista para que as matérias estejam na ordem do dia. “Encaminhamos um ofício ao HBB em que queremos algumas respostas. Acredito que iremos amadurecer ainda mais essas propostas para ver de que forma poderá ficar melhor para a comunidade lajeadense. A questão de recursos a gente sabe que é muito difícil, ainda mais na situação de crise que enfrentamos. Falta dinheiro para a saúde, educação e infraestrutura. Então todo o dinheiro precisa ser muito bem avaliado porque acaba faltando em outro lugar.”

Onde procurar atendimento

Por conta do incêndio ocorrido no início do mês, diversas mudanças tiveram de ser feitas na rede de saúde de Lajeado. Algumas delas foram determinadas na reunião desta segunda-feira, como explica o secretário de Saúde. “Os pacientes em situação menos grave, que não indicam urgência ou emergência, vão ser atendidos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro Moinhos D’Água ou nos postos de saúde.” Os casos de mais complexidade continuarão sendo acolhidos pelo HBB. NR

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui