Facções voltam a demarcar território com pichações no Bairro Santo Antônio, em Lajeado

Escritos foram tirados durante a Operação Ipê Amarelo. Espaços voltarão a ser pintados, segundo a prefeitura.

0
Esquina da Escola Estadual de Ensino Médio Santo Antônio (Ciep) foi alvo das pichações (Fotos: Natalia Ribeiro)

Poucos dias após ter sido deflagrada a Operação Ipê Amarelo em Lajeado, quando foram pintados com tinta branca ou postes e muros que apresentavam inscrições de facções criminosas, os grupos voltaram a marcar os locais no Bairro Santo Antônio, em Lajeado. A ação que envolveu mais de 350 policiais ocorreu em 05 de maio. O Grupo Independente identificou o retorno das pichações nesta segunda-feira (13).


Ouça a reportagem 

 


 

As forças de segurança não divulgam os nomes das facções que atuam no Bairro Santo Antônio. A Polícia Civil apenas confirma que são três bandos: um que domina a venda de entorpecentes e outros dois que tentam ingressar no mercado. Durante a operação, foram apagadas pichações em torno de escolas e do residencial Novo Tempo I e II. O titular da Delegacia de Polícia de Lajeado, Márcio Moreno, explica porque os locais foram tingidos enquanto a ofensiva era desarticulada.

Delegado Márcio Moreno

“A proposta era deixar claro para os criminosos que vamos ter tolerância zero com a traficância, a mercancia ilícita nas proximidades de colégios, escolas e creches”, fala. O revide dos criminosos já era esperado, segundo o delegado. “Era previsto. Sabemos da audácia, muitas vezes, do crime organizado, de alguns elementos que praticam a traficância ilícita. Mas só demonstra que nós estamos no caminho certo”, coloca ele.

Diretor das Promotorias de Justiça da Comarca de Lajeado, o promotor Carlos Augusto Fiorioli afirma que o comportamento é típico das facções. “Era previsto em face das próprias estruturas e das demarcação de território já antes determinadas. Então, essa situação, na verdade, faz com que mais uma vez se identifique a necessidade de retomar algumas medidas que devem ser adotadas no espaço”.

Mesmo antes de os escritos serem repetidosno bairro, órgãos de segurança alegam que já planejavam a continuidade da Operação Ipê Amarelo. Apesar disso, o titular do Comando Regional de Polícia Ostensiva do Vale do Taquari (CRPO-VT), tenente-coronel Luis Marcelo Gonçalves Maya, entende que o grupo precisa organizar as próximas ações. “Diante do ocorrido, precisamos traçar o que será feito em combate”.

O delegado Moreno revela que lideranças das facções serão o alvo principal, principalmente para coibir a venda de drogas e a lavagem de dinheiro. “Pode deixar registrado, pois daqui a um tempo vamos ver as lideranças, boa parte delas, presas, descapitalizadas e pobres. Aí vai faltar tinta e gente para fazer essas pinturas. É só uma questão de tempo”, coloca o agente da Polícia Civil.

Escritos também foram retomados pelas facções em poste localizado na entrada do residencial Novo Tempo I

O promotor Fiorioli entende que o momento pede “atuação com mais direcionamento e principalmente a identificação daqueles que comandam hoje aquelas posturas tão inadequadas de demarcação de território público, como se fossem áreas privadas”.

O Departamento de Trânsito de Lajeado foi o responsável pela pintura durante a ofensiva. Nos próximos dias, o trabalho será refeito, conforme o coordenador do departamento, Vinícius Renner. Deve ser solicitada escolta da Brigada Militar. “O recado para a sociedade é que, no final, o bem sempre vence”, destaca o titular da Delegacia de Polícia de Lajeado.

Saiba mais

Dezoito pessoas foram presas na operação: dez em flagrante, por tráfico de drogas; dois foragidos capturados; duas pessoas por posse de drogas; uma por posse de munição e outra por crime ambiental de aves silvestres. Dois ainda foram autuados por procedimento de apuração de ato infracional. Alguns seguem detidos.

Foram realizados 430 procedimentos nas unidades habitacionais Novo Tempo I e II, com fiscalização e identificação de moradores. Quarenta e três mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Os objetos apreendidos foram uma espingarda calibre 12; sete cartuchos de munição calibre 12 e 30 cartuchos de munição calibre 38.

Nas apreensões de drogas, foram dez buchas de maconha, 29 buchas de cocaína, aproximadamente 1kg de cocaína, 5kgs de maconha e 620 gramas de crack. Além disso, foram apreendidos oito celulares e uma balança de precisão. NR/GH

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui