A adrenalina do paraquedismo: “Quando aquela portinha abre, a 12 mil pés, não tem sensação melhor”

“É uma euforia muito grande, quando pousa a gente não sabe nem o que dizer. É muito maravilhoso”, descreve Cris Johann. “Foi amor ao primeiro salto”, afirma


1
Cris Johann mostra as suas aventuras no paraquedismo: “Amor ao primeiro salto”

A apresentadora Aline Silva conversou sobre paraquedismo com a Cristina Beatriz Johann no Papos de Mulher deste sábado (19). “Eu sempre gostei da adrenalina”, diz a praticante. “Um dia eu fui saltar de paraquedas num salto duplo em Santa Cruz”, conta. “Naquele dia eu me apaixonei, foi amor ao primeiro salto”, afirma.

Duas semanas depois, ela iniciou um curso em Novo Hamburgo e não parou mais. “Quando aquela portinha abre lá em cima, a 12 mil pés, não tem sensação melhor no mundo”, garante. “É uma euforia muito grande, quando pousa a gente não sabe nem o que dizer. É muito maravilhoso”, descreve.

Cris fez o seu curso no Centro Gaúcho de Paraquedismo, que fica junto ao aeroclube de Novo Hamburgo, para poder saltar sozinha, sem a necessidade de um instrutor a acompanhando.

A formação tem uma parte teórica, de 8 a 10h, e no dia seguinte os alunos já partem para a prática. O curso prático é realizado em vários níveis, com instrutores especializados. O aluno vai ganhando mais autonomia a cada nível. O salto solo é a partir do oitavo nível. Até o 25º salto, eles contam com orientações pelo rádio instalado no capacete.

“Não é só se atirar do avião”, diz ela. “Se simplesmente saltar, o vento te leva como uma folhinha de papel. O vento é muito poderoso, muito forte. A gente tem que aprender a lidar com o corpo porque eu faço curvas com os braços, as pernas”, detalha, sobre a técnica e a consciência corporal.

Os saltos de paraquedismos ocorrem a 12 mil pés de altitude. São 40 a 50 segundos de queda livre até abrir o paraquedas. Conforme Cris, a altura é controlada com um altímetro. Se o paraquedas não abrir, tem um reserva. Há também um dispositivo de segurança automático se a pessoa tiver qualquer tipo de problema no ar.

“É uma atividade de risco, eu não tenho como negar isso”, comenta. “Mas a gente precisa aprender e ter conhecimento de tudo que pode acontecer e se preparar para isso”, avalia. “Eu tenho medo, mas a minha vontade é muito maior, e eu tenho que aprender a lidar com isso”, resume.

VÍDEO: Assista a entrevista no Papos de Mulher

Os apetrechos para o paraquedismo

Macacão, altímetro para medir a altitude, capacete de proteção. A partir do 50º salto também é possível instalar uma câmera para captar imagens da aventura.


Simone Schneider

Papos com quem sabe

A Simone Schneider, diretora técnica da empresa Lógica Assessoria Ambiental Inteligente, fala sobre o surgimento e o propósito do Dia Mundial da Água no quadro “Papos com quem sabe” deste sábado (19).

Ouça!

 


Estilo, por Douglas Petry

O jornalista e consultor de moda e estilo Douglas Petry ensina como adaptar nossos looks com a variação da temperatura no quadro “Estilo” deste sábado (19), dentro do programa Papos de Mulher.

Ouça!

 


Na Cozinha: Tortinha de Leite Condensado

com Daniel Bortolini

Ingredientes

  • ½ xíc de farinha de trigo para 3 colheres de sopa de manteiga
  • Leite condensado

ouça como fazer

 


Preparo

Misture a farinha e a manteiga em um recipiente até obter uma massa homogênea. Dispor a massa em forminhas de empada, ajustando nas bordas. Levar ao freezer por cerca de 10 minutos. Após estarem bem geladas, preencher as tortinhas com leite condensado, mas não até o topo, deixando uma borda para não vir por cima durante o cozimento. Levar ao forno preaquecido a 180 graus até ficar bem douradinho.

Receita e imagem: tiktok – Gean Andrade


1 comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui