Devido à estiagem, 15 municípios da região enfrentam problemas no abastecimento de água para uso doméstico

Estimativas apontam que primeiro trimestre de 2022 não haverá volumes expressivos para sanar o problema


0
Foto: Ilustrativa / Pexels

Em função da estiagem, 15 municípios do Vale do Taquari já apresentam problemas no abastecimento de água para uso doméstico. De acordo com levantamento feito pela Rádio Independente, nas cidades de Capitão, Cruzeiro do Sul, Dois Lajeados, Fazenda Vilanova, Imigrante, Muçum, Nova Bréscia, Pouso Novo, Progresso, Relvado, Roca Sales, Santa Clara do Sul, Sério, Vespasiano Corrêa e Westfália poços artesianos secaram, e as prefeituras estão precisando abastecer com caminhão-pipa algumas famílias.

O principal problema ocorre no interior, onde normalmente poços comunitários são responsáveis pela distribuição nas localidades. Quanto ao campo, todos os 36 municípios do Vale enfrentam problemas, tanto para uso animal quanto para o campo, onde milhares de famílias já perderam as plantações pela seca.

De acordo com o Núcleo de Informações Hidrometeorológicas (NIH) da Univates, a região Sul está sendo influenciada pela atuação do fenômeno La Niña, que se estabeleceu no decorrer da primavera e vem impactando no padrão de chuva e temperatura na região. A semana que começa traz chuva para o Vale do Taquari, mas os volumes serão distribuídos de forma irregular. A chuva vai trazer alívio, mas não será suficiente para reverter o quadro de estiagem, pois o verão será quente e seco.

O prognóstico climático atual sugere, novamente, que não haverá precipitações acima da normal climática. A tendência é que a precipitação fique abaixo da normal climática em dezembro de 2021 e no trimestre de janeiro a março de 2022. Isso não quer dizer que não vai ter precipitação nesse período, mas sim que não serão suficientes para alcançar a normal climática. Em janeiro, por exemplo, os volumes de precipitação vão ser maiores e mais regulares do que em dezembro de 2021, ficando em torno do esperado. Porém, o prognóstico mostra uma tendência de redução nos volumes em fevereiro e março de 2022.

Texto: Vinicius Mallmann
regional@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui