Prefeitura de Lajeado negocia compra de prédio da Acvat para servir como sede da Câmara

Mesmo se os vereadores não quiserem se mudar para esse local, a prefeitura quer ficar com o prédio e remodelá-lo para agrupar todos os serviços de uma secretaria e construir um complexo com parada de ônibus


1
Foto: Joel Alves

A Prefeitura de Lajeado está em negociações com a direção da Associação dos Caixeiros Viajantes do Alto Taquari (Acvat) para que o município fique com o prédio da entidade, localizado na Avenida Benjamin Constant. A ideia é que o segundo pavimento do edifício, após uma remodelação, possa se tornar a sede da Câmara de Lajeado. Em entrevista à Rádio Independente nesta sexta-feira (7), o prefeito Marcelo Caumo explicou que Lajeado tem interesse no complexo da Acvat pelo valor histórico que ele tem.

O chefe do Executivo conta que as conversas iniciaram em 2021 e transcorreram o ano. A direção da Câmara também participou do debate, tanto o presidente Isidoro Fornari como o vereador Deoli Gräff, que assume o Legislativo neste ano. Segundo Caumo, o objetivo é o município adquirir e oferecer como possibilidade de sede definitiva para a Câmara. A permuta precisa passar pelo Plenário para ser confirmada. Ele pondera que, se o conjunto de vereadores não concordar em trocar de espaço, é uma questão interna da casa legislativa. Já a prefeitura espera concluir o acordo e poder mexer no prédio de igual modo.

O município avaliou a estrutura do imóvel e chegou a um valor para a negociação. Na permuta, Lajeado oferece um terreno localizado na Rua João Abott com a Saldanha Marinho, mais o valor de R$ 1,450 milhão, e recebe o complexo da Acvat.

O prédio já abriga a Secretaria de Desenvolvimento Social, a antiga Sthas. O projeto é ampliar o imóvel para agrupar todos os serviços oferecidos pela pasta. Além disso, em uma parte deverá ser construído uma parada de ônibus com um complexo para passageiros do transporte coletivo. Terá bancos adequados, banheiros e espaço para alimentação. Marcelo Caumo diz que será um novo conceito a ser ofertado aos usuários do serviço.

Nas mãos do município, são facilitadas reformas e melhorias, entende o gestor. “O prédio tem seu valor histórico, muito importante para a cidade”, pontua. Marcelo Caumo afirma que a permuta conversa com a ideia de revitalização do centro histórico de Lajeado.

Custos

Se o prédio ficar de propriedade do município, a Câmara de Lajeado não pagaria mais aluguel, diferente de onde está atualmente, no Genes Work & Shop, no Centro.

Para a Secretaria de Desenvolvimento Social, o custo não seria muito elevado, estima o prefeito Marcelo Caumo, em função de ser mais um trabalho de realocação de espaços e divisórias. Para o caso de outros serviços, seria necessário, primeiro, identificar o que seria e de que forma seria organizado.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

1 comentário

  1. Comprar um prédio velho , alguém tá ganhando com isso e com certeza não é a comunidade,e outra não se explica ter sido reformada o prédio da prefeitura e várias secretaria usando prédios e terrenos locados ,concordaria em centralizar todas as secretárias e a câmara de Vereadores em um prédio só ,num só complexo ,mas sabe que o interesse em manter secretarias em prédio locados é porque alguém tá ganhando .muitos interesses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui