A vida é feita de ciclos

Existem três fatores que, normalmente, não conseguimos conciliar dentro de um mesmo ciclo: intensidade, frequência e tempo.


0
Gustavo Bozetti (Foto: Tiago Silva)

Possivelmente, você já escutou a clássica expressão “que fase!” Pois é, a vida é mesmo feita de fases, de ciclos. Lembro de um período, no início da minha vida profissional, em que tive a sensação de que as coisas estavam andando em círculos. Por mais que eu me esforçasse, os resultados demoravam para chegar e eu não tinha paciência de esperar as “sementes germinar”. Antes do fim do ciclo, eu desistia e acabava me frustrando com os resultados ruins.


ouça a análise

 


Atualmente, estou vivendo um ciclo constante faz mais de uma década, e isso tem me trazido algumas boas reflexões. Trabalho com empresas e pessoas em processo de profissionalização e crescimento. Tenho muita coisa para aprender ainda, isso é uma certeza. Porém, aprendi algo que considero muito importante: as coisas precisam acontecer dentro de um determinado tempo, apesar de, frequentemente, querermos acelerar tudo. Compreender o tempo dos projetos faz parte do ciclo da vida e da natureza. Vejo pessoas começando algo hoje e querendo o resultado amanhã. Isso pode gerar uma frustração muito grande e desanimar as pessoas por um longo período.

Compreender como se portar diante desse aspecto é muito interessante, pois conseguimos passar por turbulências com mais força e vigor se soubermos que, ali na frente, o ciclo se encerra. Isso acaba trazendo maturidade. Fases virão nos nossos relacionamentos, nas nossas empresas, nas nossas famílias, mas elas passarão, tanto as fases boas quanto as ruins.

Para enfrentar melhor os “ciclos” da vida, existem três fatores que, normalmente, não conseguimos conciliar dentro de um mesmo ciclo. São eles: intensidade, frequência e tempo. Não conseguimos ser os mais intensos, com a maior frequência e durante um longo período de tempo. Duas dessas características até conseguimos conciliar. Porém, as três é mais complexo. Cito alguns exemplos: não conseguimos ser românticos intensos, com alta frequência e durante toda a vida. Em algum momento, em algum aspecto, vamos relaxar. Da mesma maneira, não conseguimos ser o vendedor mais intenso, com a maior frequência e durante longo período de tempo. Um time não consegue jogar o jogo mais intenso, frequentemente, por um longo campeonato. Compreender que conseguimos dois destes três aspectos simultaneamente, trás quietude para nossos corações no enfrentamento do ciclo que estamos passando.

A vivência me mostrou que muitas pessoas, por não compreender esse aspecto, colocaram muita esperança em algo que é impossível realizar naquele espaço de tempo, em função de um desequilíbrio nestes três aspectos. Lembramos sempre que melhoramos a nossa performance quando conseguimos canalizar estes três aspectos da melhor forma possível, uma vez que um dos segredos do sucesso é a constância no propósito, e que um dia chegaremos lá. De alguma maneira, chegaremos lá.

Gustavo Bozetti – Diretor da Fundação Napoleon Hill e do MasterMind RS

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui