“Apesar da estabilização, a tendência é de que uma nova elevação ocorra nas próximas horas”, afirma coordenador da Defesa Civil de Guaporé

Rafael Antônio Pissetti ainda ressaltou que um alto nível de precipitação está sendo registrado nas cabeceiras dos rios que deságuam no Taquari


0

Por conta da redução do nível de chuvas registrados na Serra Gaúcha entre a noite desta segunda-feira (2), e manhã de terça-feira (3), o nível dos rios Guaporé e Carreiro, localizados na cidade de Guaporé, estabilizaram nas últimas horas. Ambos os rios deságuam no Rio Taquari, e por conta disso, a tendência é de que a situação se estabilize com o passar das horas em nossa região.

Porém, de acordo com o coordenador da Defesa Civil do município da serra, Rafael Antônio Pissetti, caso as precipitações previstas para ocorrerem nesta terça se confirmem, uma nova elevação deve ocorrer ao longo do dia. “Até aqui temos um registro de 170 milímetros de chuva, e em contato com o sistema de meteorologia do Estado, a expectativa é de chover mais 130mm. Se isso se confirmar, teremos uma nova elevação futura prevista, que é o que nos preocupa”, discorreu.


ouça a entrevista

 


Outro ponto destacado pelo coordenador é o alto nível de chuva que atinge as cabeceiras dos rios. “Estamos trabalhando em conjunto com os municípios do Vale do Taquari a fim de informar a nossa situação por aqui. E o que temos a registrar é justamente o alto nível de chuva que está caindo nas cabeceiras dos nossos rios. Isso deve chegar em Encantado daqui a 30/40 horas”, reitera o coordenador.

Em Guaporé, nenhuma família foi afetada até o momento por conta da enchente. Isso porque os 170 mm registrados até aqui no município são desde o último sábado, ou seja, a chuva está ocorrendo de forma gradual, o que possibilita com que os Rios deem vazão suficiente para a água.

Conforme o coordenador, os trabalhos preventivos já tiveram início no município ainda no sábado. “Desde o sábado a noite a ponte que dá acesso ao município de Anta Gorda já está interrompida. Temos grande parte da população apreensiva. Nosso trabalho é de união, trabalhar junto da comunidade para que possamos ter um êxito, tanto para passar informação, quanto para as práticas das ações que venham para dar socorro às vítimas que venham a ser atingidas”, afirmou Pissetti.

Texto: Vinicius Mallmann
regional@independente.com.br


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui