Acordo EAU-Israel é elogiado no exterior e palestinos denunciam traição

O acordo foi concluído sob mediação dos Estados Unidos e fará dos EAU o terceiro país árabe a seguir este caminho desde a criação do Estado hebreu em 1948.


0
Foto:Divulgação

Os líderes mundiais expressaram, nesta sexta-feira (14), a esperança de que um acordo histórico para normalizar as relações entre os Emirados Árabes Unidos e Israel resulte na retomada das negociações de paz no Oriente Médio, enquanto os palestinos e alguns de seus aliados o veem como uma traição.

Os Emirados Árabes Unidos e Israel devem assinar dentro de três semanas em Washington o acordo anunciado de surpresa na quinta-feira (13) pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O acordo foi concluído sob mediação dos Estados Unidos e fará dos EAU o terceiro país árabe a seguir este caminho desde a criação do Estado hebreu em 1948, depois do Egito e da Jordânia.

Como parte do acordo, Israel se compromete a suspender seu projeto de anexar territórios palestinos, uma concessão saudada por governos europeus e alguns governos árabes como um incentivo às esperanças de paz.

Mas o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarou que a anexação de partes da Cisjordânia ocupada seria apenas “adiada” e que Israel “não desistiu” de tal empreendimento.

Os palestinos rejeitaram veementemente o acordo, chamando-o de “traição” à sua causa, incluindo à reivindicação de tornar Jerusalém Oriental, ocupada e anexada por Israel, a capital do Estado a que aspiram.

Também anunciaram a convocação de seu embaixador nos Emirados Árabes e exigiram uma reunião emergencial da Liga Árabe.

O fato é que o acordo dá margem a esperanças no exterior de relançar as conversações israelense-palestinas, que estão suspensas desde 2014.

Neste sentido, a Alemanha afirmou que se trata de uma “contribuição significativa para a paz na região”, que “permitirá dar um novo impulso ao processo de paz no Oriente Médio”.

Por sua vez, a França viu nela um “novo estado de espírito” que deve “permitir a retomada das negociações entre israelenses e palestinos com vistas ao estabelecimento de dois Estados”.

– “Oportunidade” –
Entre os aliados dos EUA no Golfo, Bahrein e Omã expressaram seu apoio ao acordo. Mas a Arábia Saudita, peso-pesado na região, não reagiu.

“Pode-se certamente imaginar que Bahrein e/ou Omã acabarão concluindo um acordo formal com Israel”, acredita Hussein Ibish, analista do Arab Gulf States Institute, que descarta, porém, um acordo semelhante em um futuro próximo entre a Arábia Saudita e o Estado judeu.

Egito e Jordânia, os únicos dois países árabes a manter laços diplomáticos com Israel após os tratados de paz concluídos em 1979 e 1994, respectivamente, reagiram com moderação.

– “Traição” –

O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, cujo país é aliado dos Emirados e dos Estados Unidos, acolheu com sobriedade o acordo, dizendo que impediria a anexação de partes da Cisjordânia.

A Jordânia não elogiou nem rejeitou o acordo, dizendo que seu futuro dependerá das próximas ações de Israel, que deve pôr fim a “seu empreendimento ilegal” de ocupação dos territórios palestinos.

Em contraste, o Irã e a Turquia criticaram fortemente a “traição” dos Emirados Árabes Unidos.

Teerã condenou nesta sexta-feira este acordo descrito como “estupidez estratégica de Abu Dhabi e Tel Aviv, que sem dúvida fortalecerá o eixo de resistência”, em referência aos aliados de Teerã no Oriente Médio.

A Turquia acusou os Emirados de “trair a causa palestina” ao concordar em assinar este acordo apoiado pelos Estados Unidos para “servir a seus interesses mesquinhos”.

O Hamas palestino também o condenou. O acordo “não serve à causa palestina, mas é visto como uma continuação da negação dos direitos do povo palestino”, disse à AFP Hazem Qassem, porta-voz do movimento islâmico no poder na Faixa de Gaza.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui