Ajudar as pessoas: mais importante do que ajudar os outros, é saber como ajudar 

Reflita sobre isso e ajude as pessoas da melhor forma (e não de qualquer forma)


0
Foto: Ilustrativa

Havia um senhor que morava no campo, longe do agito da cidade. Acostumado com as lidas campeiras, levantava cedo pela manhã para aproveitar bem o dia. Ao entardecer, sentava-se à sombra para observar a natureza. Certa vez, percebeu que havia um casulo preso num galho de uma árvore. Chegou mais perto e notou que estava diante de um processo de metamorfose, que transformaria uma lagarta em uma borboleta.


ouça o quadro

 


Enquanto admirava todo aquele processo, percebeu que a borboleta estava fazendo um esforço tremendo para romper o casulo com suas frágeis asas. Com a melhor das intenções, o senhor pegou o canivete que estava sempre no seu bolso, abriu a navalha mais afiada e cortou o casulo, ajudando a borboleta a vencer aquela adversidade. A linda borboleta caiu no chão e nunca conseguiu voar, morrendo logo em seguida.

Gustavo Bozetti, diretor da Fundação Napoleon Hill e do MasterMind RS (Foto: Tiago Silva / Arquivo)

Tempos depois, o senhor soube que o esforço que a borboleta fizera para romper o casulo era parte do processo de fortalecimento de suas asas e fundamental para que ela conseguisse voar. Porém o senhor, no anseio de ajudar a borboleta, acabou interrompendo o seu processo de formação.

Algo semelhante acontece frequentemente em nossas vidas. Muitas vezes, ao querer facilitar a vida dos outros, impedimos que eles se fortaleçam. É o exemplo de um pai que faz o tema-de-casa do filho para evitar sofrimento, o amigo que empresta dinheiro ao invés de aconselhar, o empresário que paga contas de familiares como forma de proteção, etc. O problema não está em ajudar as pessoas, mas sim na forma de ajudar. Há momentos nas nossas vidas que nos fortalecem, que nos amadurecem, que nos deixam mais preparados. Porém, estes momentos precisam ser vividos, experimentados, degustados, caso contrário, por sempre existir alguém que faça por nós, a nossa evolução não acontece.

A consequência disso é que passamos a repetir no futuro, os mesmos erros do passado, vivendo uma vida mediana, quase sem evolução. Quais são os momentos em que você poderia se virar sozinho, mas prefere pedir ajuda? Quais são os momentos em que você, ao querer ajudar, acaba prejudicando? Quais foram os momentos que você entregou o peixe ao invés de ensinar a pescar? Reflita sobre isso e ajude as pessoas da melhor forma, (e não de qualquer forma) pois assim teremos famílias mais preparadas, amigos mais preparados, empresas mais fortalecidas, pois estaremos cercados de pessoas mais preparadas. Forte abraço e até a vitória, sempre.

Gustavo Bozetti (@gustavobozetti), diretor da Fundação Napoleon Hill e MasterMind RS

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui