“Alguns animais vieram de Santa Cataria, então percebemos que o tráfico é muito grande”, analisa presidente da Repraas de Teutônia

Nesta sexta-feira (27) Teutônia e outras 11 cidades do estado foram alvo de operação em combate a crimes ambientais


1
Presidente da Rede de Proteção Ambiental (Repraas) de Teutônia, Vladimir da Silva (Foto: divulgação)

Além de Teutônia, outras 11 cidades do Rio Grande do Sul foram alvo de operação em combate a crimes ambientais na manhã desta sexta-feira (27). No município do Vale do Taquari, houve apreensão de pássaros silvestres na residência de um indivíduo, e que posteriormente foram encaminhados ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O presidente da Rede de Proteção Ambiental (Repraas) de Teutônia, Vladimir da Silva, fala que o crime de tráfico de animais está crescendo no estado. “Alguns animais vieram de Santa Catarina, então percebemos que o tráfico é muito grande e esse é o enfrentamento que a Repraas vem fazendo junto com a Polícia Civil”, conta. Além do município da Festa de Maio, foram cumpridos 30 mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, Nova Santa Rita, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Canoas, Guaíba, Alvorada, Osório, Santo Antônio da Patrulha, Santa Vitória do Palmar, e Caxias do Sul.

Conforme Silva, esse tipo de crime acaba induzindo a outros. “É uma forma de ganhar dinheiro fácil, e essas pessoas buscam essa ilegalidade de capturar esses animais e vender. Na região metropolitana esse tipo de crime acaba fomentando outros como furtos e tráfico de drogas. Um puxa o outro”, analisa.

O presidente da Repraas fala que somente no mês de maio a ONG encaminhou 53 denúncias, as quais se transformaram em ordens judiciais. “Neste mês de maio fizemos um trabalho voltado ao tráfico de animais, onde notificamos a Polícia Civil que realizou uma investigação e instaurou um inquérito verificando os crimes cometidos por traficantes de animais. São pessoas que vendem 300, 440 pássaros silvestres que são transportados”, comenta.

Texto: Caroline Silva
jornalismo@independente.com.br

1 comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui