Amvat elabora novo modelo de Cogestão para apresentar caso se mantenha a bandeira preta

O objetivo é tentar manter em funcionamento setores como de Administração Pública, Alojamento e Alimentação, Comércio e Serviços


1
Foto: Governo do RS / Divulgação

A Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat) esteve reunida na manhã deste sábado (20), para discutir medidas relacionadas a classificação de bandeira vermelha para a região de Lajeado. A videoconferência contou com a participação do presidente da Amvat, o prefeito de Santa Clara do Sul, Paulo Cezar Kohlrausch; o prefeito de Lajeado, Marcelo Caumo; o presidente da Câmara de Indústria e Comércio do Vale do Taquari (CIC-VT), Ivandro Rosa e do diretor do Hospital Bruno Born, de Lajeado, Cristiano Dickel.

Em consenso, foi decidido que a região, por meio da Amvat, apresentará recurso ao Governo do Estado buscando o retorno à bandeira vermelha na classificação definitiva que será divulgada na segunda-feira (22). Lajeado ficou com a nota (média ponderada) 2,54 – décima pior nota entre as 21 regiões Covid. Chama a atenção que Santa Cruz, que compõe a macroregião de Lajeado, teve a pior nota do estado, 2,73.

Também foi definido que a Amvat trabalhará na elaboração de um novo modelo de Cogestão para que, no caso de manutenção da bandeira preta, a região possa adotar
critérios da bandeira vermelha para alguns setores, como Administração
Pública, Alojamento e Alimentação, Comércio e Serviços. Decreto

O decreto que será publicado neste sábado (20) estabelecerá que deverá ocorrer suspensão geral das atividades entre 22h e 5h deste sábado, 20 de fevereiro até 1º de março, em todo o Rio Grande do Sul, independente da cor da bandeira. As medidas são válidas para as regiões classificadas em bandeira preta e que não possuam a cogestão. A região de Lajeado que conta com esta possibilidade segue a maioria das restrições estabelecidas pela bandeira vermelha. No entanto, na próxima segunda-feira (22) haverá uma reunião entre o governo do Estado e representantes da Famurs que poderá suspender a cogestão.

A entidade ainda solicitará aos governos Estadual e Federal maior agilidade na liberação de vacinas contra a Covid-19 e junto aos órgãos de segurança do Estado, maior apoio na fiscalização quanto ao cumprimento das medidas para evitar a disseminação do vírus.

Texto: Rita de Cássia
redacao@independente.com.br

1 comentário

  1. Por que o desespero? Por que a surpresa? Na maioria dos comércios de Lajeado, os funcionários não usam máscara e nada é feito. Em uma loja de tintas até me disseram que foram autorizados a dispensar a máscara no interior da loja (mas há aviso na porta da obrigatoriedade para o cliente).
    Agora vão querer reverter a situação? É só fiscalizar como devia e não teria chegado a tal ponto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui