Após medalha olímpica, Associação de Skatistas prospecta maior reconhecimento e investimentos em Lajeado

Segundo praticantes do esporte, município teria condições de formar atleta de alto nível, no entanto não há estrutura adequada


0
Praticantes do esporte: Samuel Zanquettin (e) e "Diegão Narrador" (Foto: Rodrigo Gallas)

O reconhecimento do skate como esporte e a valorização da categoria no Brasil após conquista da medalha olímpica foi assunto da entrevista do programa Panorama desta sexta-feira (30). Pauta para o narrador do esporte e praticante Diego Gomes, o “Diegão Narrador”, e o presidente da Associação de Skatistas e Similares de Lajeado (Assla), Samuel Zanquettin.

“Acredito que está ocorrendo uma quebra de paradigmas, que vem acontecendo no decorrer dos últimos anos. O skate está chegando mais próximo de pessoas diferentes. Estas Olimpíadas vieram para somar ao nosso núcleo”, pontua ‘Diegão Narrador’.

Zanquettin lembra que o preconceito com o esporte era acentuado em um passado não tão distante.”Há 18 anos atrás [..], a gente andava de skate só na rua. Não tínhamos pista. Se a Brigada Militar avistasse a gente na rua, tinha que esconder o Skate, porque eles recolhiam. Era marginalizado assim, e hoje é Olimpíadas”, relata.

Hoje, a prática do esporte em Lajeado, conta com uma ampla pista, de cerca de 800m², no Parque dos Dick. No entanto, a estrutura está deteriorada devido às cheias do Rio Taquari. “Hoje, nossa maior dificuldade na região, é que não temos um local adequado para desenvolver atletas. A gente tem um espaço, [..] mas em 70% dela não é pra praticável.”

“A Fadinha saiu do interior do Maranhão”, diz ‘Diegão Narrador’ ao enaltecer que Lajeado teria potencial de formar um atleta de alto nível.

Veja todos os assuntos comentados no bate-papo; assista à entrevista clicando no player acima!

Texto: Rodrigo Gallas
web@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui