Após término da segunda dose da Coronavac, secretário da Saúde de Lajeado diz que não há problema na eficácia

Na manhã desta segunda-feira, munícipes foram em busca do imunizante, mas precisaram voltar para casa


0
Secretário da Saúde de Lajeado, Cláudio Klein (Foto: Nícolas Horn)

Na manhã desta segunda-feira (26), quem foi em busca da segunda dose da Coronavac em Lajeado foi surpreendido. O mesmo ocorreu em vários outros municípios da região. Houve falta da segunda dose do imunizante. No entanto, o secretário municipal da Saúde, Cláudio Klein, tranquiliza essas pessoas pois, conforme ele, não há problema na eficácia da vacina se houver atraso para a aplicação da segunda dose.


ouça a reportagem

 


No momento, Lajeado tem apenas a segunda dose da vacina da Oxford/AstraZeneca. O secretário explica que não é possível tomar a primeira dose de um imunizante e a segunda de outro. Por isso, é necessário esperar o recebimento de mais doses da Coronavac. “Para ter o resultado, é preciso fazer a segunda dose com a mesma vacina, se tivéssemos a Coronavac, a orientação seria dar prioridade para segunda dose”, ressalta.

Ele também explica que há alguns pontos que complicam a matemática de doses exatas das vacinas. “Temos uma estimativa de população, e é em cima dessa estimativa que o governo envia as vacinas. Mas Lajeado é uma cidade com uma variabilidade muito grande em função de pessoas que trabalham aqui, mas não moram aqui e que acabam sendo vacinadas aqui. Então, a gente entende que as doses são insuficientes”, comenta. Conforme o secretário, inclusive, ainda há profissionais da saúde a serem vacinados.

Questionado sobre a chegada da segunda dose da Coronavac, Klein fala que não há previsão. “O governo federal deve enviar 10 milhões de doses nesta semana, mas em que momento isso será distribuído, a gente não sabe”, conta.

As segundas doses da vacina Oxford continuam disponíveis para quem estiver no prazo. Estas pessoas podem buscar a vacinação nos dois locais (drive-thru do Parque do Imigrante e auditório da Secretaria do Desenvolvimento Social, antiga Sthas), das 8h às 14h.

Texto: Caroline Silva
jornalismo@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui