Arroio do Meio reforça ações para amenizar efeitos da estiagem

Os investimentos já ultrapassam R$ 250 mil em recursos próprios do município, dos quais, R$ 100 mil oriundos do Poder Legislativo.


0
Foto: Maica Viviane Gebing / Divulgação

Com situação de emergência declarada em janeiro e homologada em março pelo Estado, em virtude da histórica estiagem que atinge diversos municípios do Rio Grande do Sul, a Administração Municipal de Arroio do Meio vem atuando com medidas paliativas focadas em minimizar os efeitos e prejuízos da estiagem, em especial para o setor primário. Os investimentos já ultrapassam R$ 250 mil em recursos próprios do município, dos quais, R$ 100 mil oriundos do Poder Legislativo.

Num trabalho conjunto entre Secretaria da Agricultura, subprefeituras, Defesa Civil, Corsan e Sociedades de Água do interior, as principais medidas contemplam a execução de poço artesiano no Morro São José, transporte de água em Linha 32 e conexão do poço recentemente executado pelo município em Rui Barbosa, ao reservatório e rede de distribuição. “Transporte de milho, farelo, casca de soja, e feno também passou a fazer parte da nossa rotina, como complemento à alimentação dos animais”, afirma o secretário da Agricultura, Eloir Lohmann.

Outro serviço que se tornou rotineiro, segundo Lohmann, é a abertura e limpeza de mais de 50 poços de dessedentação animal nas propriedades. “É mais uma tentativa paliativa para esse período difícil que estamos vivendo”, salienta o secretário. “Os rios e arroios estão secando, as lavouras devastadas e sem perspectivas positivas para o primeiro semestre”, alerta. Além das medidas citadas, a Secretaria de Planejamento estuda soluções para apoio a famílias de Linha 32 e Palmas Baixa, que enfrentam problemas nos seus poços de abastecimento.

Conscientização e responsabilidade no uso da água

O gerente local da Corsan, Jaime Luiz Bersch, salienta a gravidade da situação. “É muito importante que todos façam o uso consciente da água, porque a situação é muito delicada e sem perspectivas de melhorias”, afirma Bersch. “Não é momento para lavar carros, calçadas, nem utilizar mangueiras. Precisamos evitar o uso de água em quantidades, regular válvulas de descarga, ficar atentos a vazamentos internos e torneiras e aproveitar ao máximo cada lavagem de roupa”, orienta. “São cuidados simples e fundamentais para evitarmos o racionamento de água para necessidades e uso básico”, alerta o gerente da Corsan.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui