“As pessoas têm muito preconceito contra presos”, diz homem condenado por homicídio há 30 anos

No quadro "Sem Preconceito" desta sexta-feira, Rodolfo Orlando da Silva (54) conta como foi se reinserir na sociedade após um período preso.


2
Rodolfo Orlando da Silva (54) (Foto: Rodrigo Gallas)

“As pessoas tem muito preconceito contra presos”, diz ex-presidiário Rodolfo Orlando da Silva, de 54 anos. Ele foi o convidado do quadro “Sem Preconceito” do programa Panorama desta sexta-feira (12). Ele conta sobre como foi se reinserir na comunidade após um período de detenção.


ouça a entrevista

 


 

Silva foi condenado por homicídio em 1992. “Me envolvi numa briga”, relata. Como o crime cometido foi considerado legítima defesa, a pena recebida foi de seis anos e seis meses de reclusão em regime semi-aberto.

Ele conta que estava trabalhando em uma obra na época em que foi preso. “Um cara lá me provocou e eu discuti com ele. Aí o patrão veio, e não quis nem me ouvir, e disse: ‘não tá gostando daqui? Então volta lá para a cadeia'”.

Silva explica que na época acabou passando por problemas com alcoolismo. Fugiu do Albergue do Presídio de Lajeado, e mais tarde acabou internado na Clínica Central. “Vivo em sobriedade há quase 24 anos”, comemora.

Depois de curar o alcoolismo, começou a trabalhar como jardineiro e conseguiu se inserir na sociedade. “Hoje sou grato a Deus por ter meu lugar na sociedade. Sou reconhecido como jardineiro”.

“Quando a gente tem um objetivo de vencer na vida, não importa as barreiras que atravessam na sua frente”, salienta Silva, que hoje tem trabalho e uma família constituída, com quatro filhos.

Texto: Rodrigo Gallas
web@independente.com.br

2 Comentários

  1. Gostaria de relatar nossa experiencia como empresa. Contratamos um rapaz que estava no semi aberto para trabalhar conosco. Contou toda sua historia de forma muito clara aqui, todos acreditaram nele. Nunca de fato tocamos no assunto do crime ocorrido, enquanto esteve conosco continuou usando a tornozeleira. Quando um colaborador fazia janta em casa ele sempre era convidado e ia, pois era muito bem quisto. Para surpresa de todos aqui em janeiro ele foi pego cometendo crime novamente. Ficamos todos em xoque e perplexos. Depois deste ocorrido iremos pensar 2, 3, 4 x antes de contratar um presidiario ou ex. Ele pôs a vida de todos aqui em risco, é por atitudes como a do nosso ex colega que a maioria dos que saem do presidio e querem mudar de vida que pagam o pato!

  2. Conversa fiada! É lógico que quem comete homicídio sofrerá preconceito em alguns estados americanos ele poderia sofrer até pena de morte mas em nosso país infelizmente a injustiça prevalece!

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui