Aulas de tênis de mesa são retomadas em Lajeado após paralisação por conta da pandemia

Atividades acontecem nas terças e quintas-feiras, das 19h30 às 22h, no Pavilhão 4 do Parque do Imigrante


0
O tênis de mesa é um dos esportes que menos contato as pessoas possuem umas com as outras, facilitando o cumprimento de protocolos (Foto: Divulgação)

Após paralisação em março de 2020, no início da pandemia, e uma tentativa de retorno em outubro do ano passado, as aulas de tênis de mesa estão sendo retomadas em Lajeado. O esporte, também chamado de ping-pong, foi criado na Inglaterra e é uma adaptação do tênis de quadra, consiste na disputa de pontos entre jogadores que golpeiam a bola com suas raquetes sobre a área de jogo (mesa). O objetivo é impedir que o adversário consiga realizar a mesma ação e devolva a bola para a área de jogo. Em Lajeado, as aulas voltaram na semana passada e acontecem nas terças e quintas-feiras, das 19h30 às 22h, no Pavilhão 4 do Parque do Imigrante, no Bairro Alto do Parque.


ouça a reportagem

 


Conforme o professor e jogador Carlos Heyman, trata-se de uma retomada gradativa das atividades. “É um retorno que está acontecendo aos poucos. É uma satisfação poder voltar no esporte onde eu cresci, fiz muitas amizades, tenho amigos em função do esporte, e esporte é vida, é saúde”, destaca. Ao todo, 40 pessoas participam das aulas, porém, ativamente retornaram entre 10 e 12. “Temos no total oito mesas, e abrimos conforme o número de praticantes, dai vamos aumentando”, completa.

Os encontros não possuem o objetivo de competir e sim do incentivo a prática esportiva, segundo o professor. “Mais na questão de brincar, se divertir e temos um grupo que joga um pouco mais fixo procurando participar de eventos locais e interestaduais.”

Heyman explica que o tênis de mesa é um dos esportes que menos contato as pessoas possuem umas com as outras, então facilita o cumprimento de protocolos impostos por conta da pandemia de covid-19. “Tem uma mesa entre os dois atletas. Essa mesa tem entorno de 2,70 m, que é bem mais vantajoso que o futebol, que tem contato corpo a corpo, e ainda assim se utiliza máscara e álcool em gel”, diz.

Além disso, há cuidados também com os materiais utilizados durante as aulas, explica o professor. “Somente um dos atletas pega as bolinhas, e depois é passado álcool 70º em todas elas, assim como na troca dos horários.”

Professor e jogador de tênis de mesa Carlos Heyman (Foto: Arquivo pessoal / Divulgação)

O profissional joga tênis de mesa desde seus 13 anos de idade, por incentivo dos pais. Atualmente, conta que crianças a partir dos 8 anos já são atletas em nível estadual. “É o esporte familiar. Pode jogar o pai, a mãe, o tio, avô, primo. Todos podem interagir, brincar e se divertir ao mesmo tempo”, pondera.

Na região, o professor ministra aulas há cerca de cinco anos. Pessoas que possuem a curiosidade e vontade de fazer parte dos encontros, podem comparecer ao Parque do Imigrante nas terças e quintas, quando acontecem as atividades.

História do tênis de mesa

Segundo o portal Toda Matéria, o tênis de mesa foi criado na Inglaterra, no final do século XIX, ganhou rápida adesão entre praticantes. O nome original do jogo é ping-pong, mas uma empresa americana o registrou, tornando-o uma marca. A partir daí, o jogo passou a ser chamado de tênis de mesa, mas ainda hoje, o nome ping-pong ainda é utilizado para se referir à prática recreativa do jogo, sem fins competitivos ou oficiais.

Inicialmente, jogado com equipamentos improvisados e adaptados de outros esportes. Em pouco tempo, passou a contar com a produção de equipamentos próprios. Já em 1902, foi realizado o primeiro torneio oficial de tênis de mesa. Em 1926, foi criada a Federação Internacional de Tênis de Mesa (IFTT) e realizado o primeiro campeonato mundial, vencido pelos húngaros Maria Mednyansky (categoria feminina) e Roland Jacobi (masculina).

Ao longo do tempo, o jogo se popularizou em países do leste europeu e, a partir da década de 1950, passou a ser amplamente praticado nos países asiáticos como o Japão e a China. Desde então, esses países possuem uma certa hegemonia no esporte. Por ser um jogo muito rápido, em que a bola pode atingir velocidades perto dos 200 km/h, algumas adaptações foram feitas ao longo do tempo para melhorar a jogabilidade e facilitar para os espectadores.

Em 1988, o tênis de mesa tornou-se um esporte olímpico. Em 2001, o tamanho da bola passou de 38 mm para 40 mm, aumentando a resistência do ar e diminuindo a velocidade do jogo. No mesmo ano, os sets passaram a ser disputas de 11 pontos (antes, eram 21 pontos), buscando reduzir o tempo de jogo. No Brasil, o tênis de mesa se popularizou em clubes e escolas, possuindo muitos adeptos e alguns nomes influentes no esporte.

Texto: Gabriela Hautrive
reportagem@independente.com.br

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui