Autor do massacre em escola de Parkland, na Flórida, se declara culpado

Nikolas Cruz assumiu culpa pela morte de 17 pessoas, entre alunos e funcionários, em 2018. Ele pediu desculpas pelos seus atos. Júri ainda vai definir se ele terá pena de morte ou prisão perpétua sem direito a condicional


0
Nikolas Cruz durante audiência em que se declarou culpado pelo massacre no colégio de Parkland, na Flórida (Foto: Amy Beth Bennett/Reuters)

Nikolas Cruz, autor do massacre num colégio em Parkland, na Flórida, que deixou 17 mortos em 2018, se declarou culpado de assassinato nesta quarta-feira (20).

O assassino, agora com 23 anos, falou numa audiência no tribunal com a presença de vários parentes das vítimas depois de responder a uma longa lista de perguntas da juíza Elizabeth Scherer com o objetivo de confirmar sua capacidade mental.

Ele enfrenta 17 acusações de assassinato e 17 de tentativas de homicídio pelo ataque à escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas, localizada nos arredores de Fort Lauderdale.

Um julgamento voltado apenas a definir a pena determinará se Cruz receberá a sentença de morte ou prisão perpétua sem liberdade condicional. A juíza deve começar a selecionar os jurados no mês que vem, na esperança de que os depoimentos possam começar em janeiro.

Enquanto vários pais balançavam a cabeça, Cruz se desculpou, dizendo: “Sinto muito pelo que fiz. … às vezes não consigo viver comigo mesmo”. Ele também acrescentou que gostaria que dependesse dos sobreviventes determinar se ele vive ou morre.
Vários pais e outros parentes das vítimas começaram a chorar enquanto ouviam a audiência por teleconferência.

Os advogados de Cruz já haviam anunciado sua intenção de se declarar culpado durante uma audiência na semana passada.

Fred Guttenberg, cuja filha de 14 anos morreu no tiroteio, disse que visitou seu túmulo esta semana para pedir-lhe forças para passar pela audiência desta quarta.

“Ela era a pessoa mais forte e sábia que já conheci”, disse ele. “Minha filha sempre quis o que era certo. Minha filha desprezava quem praticava bullying e se colocava no meio de alguém sendo intimidado para fazer parar. ”

Morte ou perpétua

A confissão de culpa abre caminho a um julgamento de pena em que 12 jurados determinarão se Cruz deve ser condenado à morte ou prisão perpétua sem liberdade condicional. Dada a notoriedade do caso, Scherer planeja compor o júri a partir de milhares de jurados em potencial. As audiências de seleção estão agendadas para acontecer ao longo de novembro e dezembro, para que o julgamento ocorra de fato a partir de janeiro.

Durante a audiência desta quarta, o procurador Mike Satz relatou detalhes dos assassinatos. Cruz matou os 14 alunos e 3 membros da equipe do colégio no Dia dos Namorados de 2018 numa ação que durou sete minutos.

Ele atirou nas vítimas nos corredores e nas salas de aula com um fuzil semiautomático AR-15. Cruz havia sido expulso do colégio um ano antes, após um histórico de comportamento ameaçador e às vezes violento que datava da pré-escola.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui