Bastidores: médico detalha mudanças na rotina de trabalho no Hospital Bruno Born

Profissionais tiveram que ser deslocados para a unidade especializada no tratamento à Covid-19.


1
O acesso é restrito na UTI Covid-19 do Hospital Bruno Born (Foto: HBB / Divulgação)

O médico intensivista Nelson Barbosa Franco, coordenador do setor de transplantes de órgãos no Hospital Bruno Born (HBB), detalhou em entrevista no programa Faixa Extra desta quinta-feira (23) como a pandemia de coronavírus alterou a rotina de trabalho na casa de saúde de Lajeado. O hospital criou uma unidade de tratamento intensivo específica para o antedimento de casos da doença. A UTI Covid-19 conta, atualmente, com 13 leitos, dos quais oito estavam ocupados na noite desta quinta-feira (23).


ouça a entrevista

 


A UTI normal da instituição fica no segundo andar, com 20 leitos adultos e 10 na área neonatal e pediátrica. A UTI Covid-19 foi montada no térreo, perto do pronto-socorro, para agilizar os atendimentos e propiciar maior segurança aos pacientes suspeitos ou confirmados da doença causada pelo novo coronavírus.

Conforme explica Franco, o Hospital Bruno Born chegou a cancelar as cirurgias e demais procedimentos eletivos para destinar esforços à pandemia. Mas a instituição conseguiu se reorganizar e voltou a prestar os atendimentos até então suspensos. “Estamos conhecendo o comportamento da doença agora”, diz o médico, sobre o grau de contágio da Covid-19.

O profissional explica que são cinco médicos intensivistas, normalmente, na UTI Adulto do HBB. “A gente tinha um esquema de rotina para cobrir os horários com o auxílio de mais 20 plantonistas não-intensivistas”, Franco detalha.

Três desses médicos intensivistas foram deslocados para a UTI Covid-19. Dessa forma, ficaram dois médicos na UTI normal e três na unidade especializada em coronavírus. Eles trabalham em escala 24h por 48h. “Mudou a distribuição dos médicos”, reconhece Franco.

Mais três profissionais de enfermagem, um do pronto-socorro e um intensivista, reforçam a equipe da unidade especializada.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

 

1 comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui