Bombeiros da região buscam adquirir materiais de resgate para atuar em ocorrências de grandes proporções

Profissionais que representam Associação Gaúcha de Resgate Salvamento e Combate a Incêndio Voluntário (Asgresci) oferecem cursos para arrecadação de valores


0
Imagem ilustrativa de um resgate feito por bombeiros (Foto: Pixabay / Divulgação)

Visando melhorar o trabalho e oferecer atendimento qualificado para comunidade do Vale do Taquari, bombeiros que fazem parte da Associação Gaúcha de Resgate, Salvamento e Combate a Incêndio Voluntário (Asgresci), envolvendo as cidades de Venâncio Aires, Lajeado, Arroio do Meio e Teutônia, oferecem cursos de resgate tático para arrecadar recursos e investir na compra de materiais que serão utilizados em casos de ocorrências de grandes proporções, como por exemplo pessoas presas em escombros, seja na queda de um prédio ou em situações de enchente.


ouça a reportagem

 


Conforme o bombeiro civil profissional e tesoureiro da associação, Jair Antônio Kaiber, não há um valor exato estipulado para arrecadação e sim alguns equipamentos que são prioridade nesse momento. “O primeiro objetivo seria uma proteção respiratória, mas para fazermos um resgate de sucesso, não podemos equipar apenas um integrante da associação e sim toda a equipe”, relata.

Inicialmente, a ideia é adquirir três proteções, sendo que cada uma tem o custo entre R$ 10 a 15 mil, ou seja, visando arrecadar aproximadamente R$ 45 mil. Depois, novas prioridades serão elencadas pelo grupo. “O quanto antes a gente conseguir se equipar, antes vamos estar preparados para conseguirmos atuar em uma catástrofe.”

Ao ser questionado sobre o caso da BR-386, em que um caminhão explodiu ao passar na ponte sobre o Arroio Boa Vista, em Estrela, e gera transtornos para região, Kaiber explica que não seria uma ocorrência com necessidade de atuação do grupo especializado para resgate. “É uma situação que está atrapalhando bastante o trânsito sim, mas a nossa participação seria em casos maiores, queda de um prédio por exemplo que ficam pessoas presas nos escombros e precisam de atuação por três ou quatro dias”, relata.

Bombeiro civil profissional e tesoureiro da associação, Jair Antônio Kaiber (Foto: Divulgação)

O curso oferecido pela associação é aberto a toda comunidade, com três níveis de qualificação envolvendo resgate tático. “Geralmente, quem mais procura esse tipo de curso são enfermeiros, bombeiros civis, profissionais da área da saúde e público em geral, não precisa estar formado”, esclarece.

O objetivo é oferecer conhecimento na área aos participantes com capacitação de 20h e profissionais experientes, tendo atuações de bombeiros do exterior. “Parceria com outros países, até a Europa está presente — Portugal, Chile, entre outros. A escola de Portugal, por exemplo, com seus instrutores, vem para o Brasil e realiza um dos níveis, podendo ser o 1 e 2 aqui e o 3 com auxílio deles”, relata.

O investimento para realização do curso é de R$ 275, e interessados podem entrar em contato com o número (51) 9 9885-5998. A primeira turma, que inicia neste mês de abril, já foi fechada. Porém, novas oportunidades serão oferecidas, conforme demanda.

Qualificação em Portugal

Foi após a enchente de julho de 2020 que atingiu o Vale do Taquari que o grupo de bombeiros civis da região percebeu que era necessário mais pessoas capacitadas para atuar em situações como essa.

Além disso, o que impulsionou os 10 profissionais a criarem a Associação Gaúcha de Resgate, Salvamento e Combate a Incêndio Voluntário (Asgresci) foi depois de um debate no programa Contraponto da Rádio Independente, em que convidados falaram sobre a necessidade do Vale contar com um grupo treinado para agir em catástrofes.

Os profissionais embarcaram para Portugal em junho de 2020 e realizaram um curso de capacitação durante 14 dias para poder repassar treinamentos para os associados da Asgresci.

Texto: Gabriela Hautrive
reportagem@independente.com.br

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui