Câmara aprova reajuste de 3,1% no IPTU na primeira sessão após o pleito municipal

Assuntos como candidaturas laranjas e racismo durante campanha também foram abordados.


2
Foi a primeira sessão após o pleito de domingo (Foto: Caroline Silva)

Nesta terça-feira (17), na primeira sessão da Câmara de Vereadores após o pleito municipal de domingo (15), os parlamentares aprovaram o projeto de lei que prevê o reajuste de 3,1% no Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e no Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) para 2021. Conforme o secretário da Fazenda de Lajeado, Guilherme Cé, na prática não houve aumento, e sim reposição da inflação oficial. Toda a bancada do MDB votou contra, sendo eles Carlos Ranzi (MDB), Marquinhos Schefer, Neca Dalmoro, Eder Spohr, Paulo Tori e Waldir Blau. O último reajuste havia sido em 2018, de 4,5%.


OUÇA A REPORTAGEM

 


Spohr justificou sua posição ao dizer que não é o momento para um aumento. “Casas de festas, músicos, e tantas outras pessoas que não conseguiram nem trabalhar neste ano, não tem cabimento a gente pedir aumento de IPTU na pandemia.” Ranzi complementou dizendo que o aumento do funcionalismo reflete neste acréscimo em votação. “Nossa cidade consegue arrecadar mais do que isso. Não é justo aumentar a carga tributária de quem já está pagando seus tributos, enquanto tem pessoas que estão sonegando”, argumenta.

No entanto, Ildo Salvi (PSDB) se posicionou a favor do reajuste. “É apenas um reajuste de 3,1%, eu voto a favor e peço a votação a favor do projeto”. Quem também votou a favor foi Sérgio Kniphoff (PT), que disse que é melhor o acréscimo acontecer agora do que mais tarde. “O reajuste vai ter que acontecer em algum momento, nós sabemos disso. O não rejuste significa que no final de 2021 estaremos buscando um aumento maior. É interessante deixarmos sem reajuste agora e recalcular no final de 2021?”, questionou.

Outros cincos projetos foram aprovados pelos parlamentares, como o de autoria de Salvi, que faz que o Poder Executivo municipal regulamente por decreto a instalação de paraciclos em praças no município, além da manutenção de academias ao ar livre e pracinhas infantis. Os outros três tratam-se de denominação de ruas e o último autoriza o poder executivo a abrir crédito suplementar.

Eleições

A maioria dos vereadores aproveitou seu espaço na tribuna para agradecer os votos recebidos no pleito de domingo. Blau, que não foi reeleito e ficou como primeiro suplente, disse que acredita na justiça, pois houve irregularidades em uma chapa. “Fiquei feliz com minha votação, mas acredito na justiça e provavelmente vou ser titular, porque a justiça já está se manifestando”, ressalta.

O parlamentar se refere ao partido PSB, em que duas candidatas a vereadoras em Lajeado receberam 0 e um votos, o que seria classificado como candidaturas laranjas. Se isso for confirmado pela justiça, segundo Blau, o único candidato eleito pelo PSB, Adriano Rosa, não assumiria a vaga.

Quem também falou sobre este caso foi Mariela Portz (PSDB). “Me estranha 0 e um votos. O que está acontecendo em Lajeado? Com candidaturas masculinas isso não acontece”, argumenta. Ela também lamentou ter apenas duas novas candidatas eleitas ao legislativo. “Eu não poderia deixar de falar sobre minha decepção em não eleger mais mulheres nessa casa. É triste vermos que de 15 vereadores, só duas cadeiras serão femininas”, observa.

Preconceito

Tori agradeceu os quase 10 mil votos recebidos para vice-prefeito e fez um desabafo. “É lamentável ter preconceito na nossa cidade, da maneira que vivenciamos nesses 45 dias de campanha. Ao ponto de amigos meus me falarem que era difícil pedir votos para mim por eu ser negro”, relata. Kniphoff parabenizou Tori pela candidatura ao executivo e disse que é inaceitável que o preconceito ainda exista. “Tu foste uma pessoa que esteve junto de um processo com muita honra e dignidade e essa fala emociona a todos. É inadmissível que as pessoas sejam medidas pela sua cor, conta bancária ou onde moram. É algo inadmissível em pleno século XXI”, diz.

Na sessão da próxima terça-feira (24) a Câmara irá definir o orçamento para 2021.

Texto: Caroline Silva
jornalismo@independente.com.br

2 Comentários

  1. Esse é o tal do Ódio do Bem de alguns vereadores descontentes com os resultados das eleições. Vereadores VINGATIVOS que NUNCA pensaram no POVO.

  2. Em plena pandemia vem está notícia já.estamos pagando uns impostos alto pelo alimentos e combustível vem estes vereadores com está, muitos ali não foram reeleitos mas uns que foram votaram a favor vê pensem bem em votar nesta pessoa novamente parabéns aos que votaram contra e os demais nunca pensaram no povo porque se realmente se pensassem não teriam votado para aumentar o valor logo ainda neste momento complicado lamentável 😔..

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui