Casal de Forquetinha aposta na produção de lúpulo

Cervejaria e produtores da região trabalham na produção de cervejas com matéria-prima local


0
Foto: Divulgação

De olho no aumento da demanda pelas cervejas especiais, agricultores da região apostam no cultivo do lúpulo. Incentivados pela Cervejaria Salva, com sede em Bom Retiro do Sul, idealizadora do projeto Salva Hops, Evandro Bauer e Vanessa Tresolldi Schneider, de Forquetinha possui uma estrutura para 680 plantas.

Atualmente 200 estão em fase de desenvolvimento e a metade já começou a produzir. Neste primeiro ano de colheita a produção alcança 20 quilos. “É baixa por que elas ainda não atingiram a maturidade. Quase toda matéria-prima foi vendida para cervejaria. Apenas uma pequena quantidade foi destinada para uso próprio na fabricação de cervejas artesanais”, destacam.

Segundo Bauer, estão em fase de testes vários estilos para identificar qual a preferência do consumidor. “Quem experimentou ficou impressionado com o aroma e sabor. A bebida feita com lúpulo daqui, fresco ou mesmo seco, é muito diferente daquela produzida com matéria-prima importada. Muitas vezes é safras anteriores e se degradam com o tempo, pelo fracionamento e até armazenagem”, explica.

A quantidade de lúpulo utilizado para fabricação de cervejas depende do estilo a ser produzido. Por exemplo, para fabricar 10 litros da APA, Evandro e Vanessa utilizam 60 gramas de lúpulo seco, o que resulta numa cerveja mais lupulada. Entre os planos para o futuro está a meta de triplicar o número de plantas para atender a demanda de cervejarias e cervejeiros artesanais. Outro projeto é iniciar a produção e venda de mudas.

Hoje estão em fase experimental as variedades Centennial, Cascade, Brewers Gold, Nugget, Magnum, East Kent Golding, Columbus, Tehuelche, Hallertau Mittelfruh, Galena, Crystal, Sorachi Ace, Zeus, Brasyljinski e Mantiqueira. “Aos poucos estamos iniciando a produção de cervejas com o lúpulo próprio e no futuro pretendemos fazer em escala comercial, cuja marca será Império Verde”, anunciam.

Para o secretário municipal da Agricultura e Meio Ambiente, Adair Pedro Groders, o cultivo de lúpulo possui um vasto mercado para ser explorado. “Apesar de ser uma cultura de risco, tendo qualidade, assistência técnica e comprador, se torna um excelente negócio. Hoje a maior parte da matéria-prima é importada. Temos condições climáticas para produzir aqui e criar uma nova fonte de renda”, explica.

Para fazer parte do projeto o interessado deve entrar em contato via e-mail: hops@salva.ind.br ou pelo telefone (51) 9.9589-7167.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui