Cerca de 40% dos alunos não voltaram ao ensino presencial na rede estadual do Vale do Taquari

Para compensar fragilidades na pandemia, currículo terá reforço de português e matemática, e 4º ano do Ensino Médio é analisado


0
Foto: Reprodução / Shutterstock

Nas escolas da rede estadual do Vale do Taquari, cerca de 40% dos alunos não voltaram ao ensino presencial, informa a coordenadora regional de Educação, Cássia Benini. A presença em sala de aula tem aumentado gradativamente. Porém, no Ensino Médio, os índices ainda preocupam. De acordo com ela, a maior parte desses alunos está no ensino remoto, e um contingente não especificado a Secretaria Estadual de Educação não conseguiu contatar e localizar. Dessa forma, um trabalho de busca ativa é realizado com o auxílio do Conselho Tutelar e do Ministério Público.


ouça a entrevista

 


Neste período de retomada das atividades presenciais, o Governo do RS trabalha em formas de tentar recuperar o tempo perdido em função das restrições para evitar a disseminação do coronavírus. Entre as alternativas, neste segundo semestre letivo de 2021 está a ampliação da grade curricular para compensar fragilidades observadas no ensino remoto — elas foram identificadas no diagnóstico “Avaliar É Tri”, realizado em maio.

Dessa forma, a partir do dia 23 agosto, a matriz curricular vai ser alterada com duas horas a mais por semana de língua portuguesa, e três horas a mais de matemática. Para Cássia, são novidades positivas para que não fique nenhum aluno para trás. Ações com ênfase no raciocínio lógico, leitura e interpretação de textos serão intensificadas. “Queremos que todos os alunos sejam incluídos na aprendizagem”, ressalta.

Coordenadora regional de Educação, Cássia Benini (Foto: Tiago Silva)

Para atender a esse aumento, o Governo do RS abriu processo seletivo para a contratação temporária de 4 mil professores de português e matemática. Para o Vale do Taquari está prevista a contratação de 69 profissionais. Por outro lado, professores que já atuam na rede poderão solicitar ampliação de sua carga horária, na direção de sua escola ou CRE.

“A gente conclama aos pais: mandem seus filhos para as escolas! A escola é um local seguro”, defende a titular da 3ª Coordenadoria Regional de Educação (3ª CRE). “A escola é imprescindível na vida do aluno”, avalia. Cássia demostra preocupação com o extenso tempo fora das salas de aula ao lembrar dos reflexos no ensino, na aprendizagem e em questões socioemocionais.

A educadora diz que as restrições foram flexibilizadas nas salas de aula, com a redução de casos e ampliação da vacinação. Atualmente, o distanciamento com máscara é de 1 metro, e sem, 2 metros. As atividades físicas com contato permanecem restritas, e há a exigência de aplicação de álcool em gel e higienização constante dos ambientes escolares.

4º ano do Ensino Médio

O Governo do RS cogita criar o 4º ano do Ensino Médio. A ideia é que esse ano a mais supra lacunas de aprendizagem deixadas durante o ano letivo de 2021, assim como ocorreu em 2020, em função da pandemia. Conforme a coordenadora regional do Vale do Taquari, Cássia Benini, ainda não está confirmada a criação do 4º ano. “É uma discussão entre a Secretaria Estadual de Educação e o Conselho Estadual de Educação”, explica. “Se acontecer, não será obrigatório”, adianta. “Se a família ou o aluno entender que não está reparado para mercado de trabalho ou faculdade, pode fazer o 4º ano”, comenta.

Cássia explica que, a princípio, o incremento seria apenas para a rede estadual de ensino, tendo em vista que as redes municipal ou privada têm regramento próprio.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui