Classificação preliminar coloca Vale do Taquari novamente na bandeira vermelha

A informação foi divulgada no início da noite desta sexta-feira (31). Amvat irá recorrer.


0
Foto: Governo RS

O Governo do Estado classificou o Vale do Taquari, de forma preliminar, como bandeira vermelha no Modelo de Distanciamento Controlado do Governo do Rio Grande do Sul. A informação foi divulgada no início da noite desta sexta-feira (31). Na condição de região com alto rico de contágio de Covid-19 as restrições são mais severas do que a bandeira laranja (classificação das últimas 11 semanas na região), influenciam em vários setores e tem como uma das principais consequências o fechamento do comércio.

O comércio pode, no entanto, realizar serviços de tele-entrega, pegue e leve e drive thru. Podem funcionar, com restrições de funcionários, os serviços considerados essenciais como medicamentos, produtos de higiene pessoal, alimentação e transporte.

Agora cabe a Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat) e os próprios municípios encaminharem recursos para tentar reverter a situação. No dia 20 o governo acatou recurso da Amvat e reverteu a classificação preliminar de bandeira vermelha – estipulada no dia 17 – para a bandeira laranja.

O Vale está na 11ª semana seguida com bandeira laranja. Agora fica a expectativa para a próxima segunda (03), quando será divulgada a classificação final da 13ª rodada das bandeiras. A medida terá validade a partir de terça-feira (04) e irá até a outra segunda (10).

Se confirmada, esta será a terceira semana que o comércio da região precisará estar fechado por determinação do Governo Estadual. Isto ocorreu entre 04 e 17 de maio. Na primeira semana, por anteceder do Dia das Mães, foi permitido o serviço de tele-entrega, take away (pegue e leve) e drive thru. Na semana seguinte isto foi proibido. Em Lajeado a prefeitura também decretou o fechamento do comércio de 30 de março a 15 de abril, ainda antes do Sistema de Distanciamento Controlado do estado.

Tele-entrega, pegue e leve e drive thru

Uma das principais mudanças em relação ao último período em que o comércio da região teve que fechar, é que agora, na bandeira vermelha, é permitido tele-entrega ou que os clientes busquem a mercadoria sem entrar nos estabelecimentos, o pegue e leve (take away), assim como o drive thru.

O que pode abrir e quais as regras:

Podem operar estabelecimentos que vendem itens essenciais, como medicamentos, produtos de higiene pessoal, alimentação e transporte.

Farmácias, supermercados e postos de gasolina têm operação reduzida a 50% dos trabalhadores.

Serviços de manutenção e reparação de veículos automotores passam a operar com apenas 25% dos trabalhadores.

Comércio atacadista de itens não essenciais deixa de atender na modalidade presencial. O teto de operação é reduzido a 25% dos trabalhadores, com atendimento exclusivo via tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.

Restaurantes e lancherias ficam proibidos de receber clientes no local, mas podem atender em sistema de tele-entrega, drive-thru e pegue e leve (take away).

As aulas devem ser mantidas de forma remota. Cursos livres devem permanecer fechados, assim como escolas de ensino infantil, fundamental e médio e universidades.

Hotéis passam a operar com apenas 40% dos quartos disponíveis.
(Veja mais detalhes na tabela abaixo)

Seis óbitos e 537 casos em uma semana

Para o mapa preliminar divulgado nesta sexta-feira (31), o Vale do Taquari teve seis óbitos e 537 casos da doença avaliados. No total, são 11 indicadores avaliados. Na semana anterior da amostra, entre 17 e 23 de julho, foram 315 infecções e nenhum óbito. Nas confirmações de casos o aumento é de 70,4%, entre os dias 24 e 30 de julho.

O que motivou a bandeira vermelha

A região de Lajeado ficou com a segunda pior nota dentre as 20 regiões de saúde do estado: 1,75, atrás apenas da região de Taquara, que recebeu a nota 1,81. Para chegar a bandeira vermelha é preciso ficar em, no máximo 1,49. Há duas semanas quando a classificação foi de bandeira vermelha houve a reversão da nota 1,74.

Dos 11 indicadores do Modelo de Distanciamento Controlado do RS, o Vale do Taquari teve três bandeiras pretas: leitos de UTI livres/ leitos de UTI ocupados por pacientes Covid – válido para todo o estado – (nota 0,89); número de hospitalizações confirmadas para Covid-19 registradas nos últimos sete dias por 100 mil habitantes (11,47) e número de hospitalizações confirmadas para Covid-19 registradas nos últimos sete dias em comparação com os sete dias anteriores (nota 1,45). Dentre as quatro bandeiras vermelhas a pior nota foi a relativa à projeção no número de óbitos pelo período de uma semana para cada 100 mil habitantes (2,33). Ainda foram três bandeiras laranjas e uma amarela.

Leitos de UTI na região

Dos 65 leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) nos hospitais do Vale do Taquari, 48 estão ocupados, ou seja, 73,8%, conforme atualização feita nesta sexta-feira (31). Destes, 19 (42,2%) ocupam leitos de UTI Covid, sendo 22 casos confirmados (45,8%) e quatro (8,3%) casos suspeitos. Outras 22 pessoas estão em UTI normal, sem contaminação pelo coronavírus (45,8%).

O Hospital Bruno Born, de Lajeado, tem 30 leitos de UTI, sendo 24 ocupados (80%). Oito são pacientes na UTI Covid, sendo cinco com confirmação da doença (20,8%) e três com suspeita (12,5%). Outros 16 estão na UTI Geral Adulta (66,7%). Dos pacientes da ala Covid, três dão de Lajeado, um de Teutônia e um de Pouso Novo, ou seja, 37,5% das internações são de moradores de fora do Vale do Taquari.

O Hospital Estrela, em Estrela, dispõe de 20 leitos de UTI, sendo que 16 estão ocupados (80%). São dez na UTI Covid (62,5%) e seis (37,5%) na UTI Adulto. Dos dez pacientes da ala Covid, quatro (40%) são de fora do Vale do Taquari.

O Hospital Beneficente Santa Terezinha, de Encantado, tem cinco leitos de UTI sendo que quatro estão ocupados por pacientes com Covid-19, representando 80% de ocupação. Todos são moradores do Vale.

O Hospital de Caridade São José, de Taquari, tem quatro pacientes internados na UTI Covid, todos com Covid-19. São dez leitos disponíveis, então 40% estão ocupados.

Texto: Ricardo Sander
ricardosander@independente.com.br

Arte: Grupo Independente

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui