Com apenas um médico-legista há sete anos, DML de Lajeado atende população de 38 municípios

Posto já chegou a realizar 60 necropsias num período de 30 adias


0

Responsável por atender 38 municípios da região, de Cruzeiro do Sul até Guaporé, o Departamento Médico Legal (DML) de Lajeado tem enfrentado constantes problemas de vandalismo e falta de profissionais. Há sete anos, o médico Bruno Lieske é o único profissional legista do local, que responde por uma população de aproximadamente 320 mil habitantes.


OUÇA A REPORTAGEM 


Há sete anos, o médico Bruno Lieske é o único profissional legista do DML de Lajeado (Foto: Artur Dullius

O posto chegou a ter três profissionais atuando de forma simultânea. No entanto, com o passar dos anos, os trabalhadores se aposentaram e pediram transferência, mas as ausências não foram repostas. “Quando eu to de folga o pessoal remove os corpos para Porto Alegre e durante o meu período de férias são atendidas apenas as necropsia. Os exames de lesão da parte clínica acontecem quando eu retorno. Nos finais de semana também é assim, pois eu trabalho um e folgo outro”, explica.

Diante da carência de profissionais, alguns serviços acabam ficando acumulados por determinados períodos. Por ano, são realizados cerca de 2 mil atendimentos, numa média de 30 necropsias por mês. Em janeiro de 2014, quando houve uma disputa entre facções locais, o DML chegou a fazer 60 necropsias num período de 30 dias.

“Desde 2014 não foi mais reposto nenhum profissional. Tinham prometido um médico-legista agora para novembro, mas já adiaram para março. Se compararmos com as regiões de Cachoeira e Santa Cruz, que possuem a mesma quantidade populacional, cada uma tem três legistas, então essa matemática não está funcionando. Ou é porque o nosso serviço esta andando e aí talvez se tem aquele olhar de que não é preciso mexer, mas a demanda é grande e sobrecarrega os profissionais”, relata Lieske.

O atual prédio utilizado para a realização das necropsias, localizado no Bairro Florestal, foi construído há 30 anos e, desde então, não recebeu nenhum tipo de reforma estrutural. Além disso, constantemente o local também tem sido alvo de furtos e vândalos. Foram três casos somente no último mês de outubro.

“O quarto arrombamento foi um dos piores. Não por terem levado o material, pois o material mais caro a gente não deixa lá, mas eles comprometeram a estrutura do prédio. Quebraram uma parede para conseguir acessar o local e este foi o estopim para divulgarmos esta situação pela qual estamos passando”, pontua o médico-legista.

Segundo ele, o fato do DML pertencer à região metropolitana dificulta o contato para o encaminhamento das demandas em Porto Alegre. “Nós não pertencemos ao interior, a gente pertence a região metropolitana. Esta falta de proximidade leva a estes problemas, que nós acabamos resolvendo aqui, localmente. Mas, por estarmos solucionando as coisas, eles não percebem as dificuldades que a gente tem. Conseguimos resolver recentemente a falta de câmara fria por meio de uma parceria com o município de Lajeado. Solucionamos também outros problemas relacionados à questão de segurança do prédio, mas a falta de pessoas não tem como a gente repor. Não depende de nós”, atenta.

Atualmente, a equipe local é composta por um médico legista e três técnicos em necropsia. No entanto, um dos técnicos está afastado por doença. “A nossa estrutura voltou a ser o que era há 30 anos, com um legista e dois técnicos. A região continua atendendo da mesma forma que atendia há três décadas. Neste tempo a demanda aumentou, a região cresceu, a criminalidade e os acidentes de trânsito aumentaram e a estrutura permanece a mesma”, conclui o médico-legista.

Vereadores se reúnem com Diretora Geral do IGP em Porto Alegre
Na tarde desta quarta-feira (17) os vereadores Lorival Silveira (PP) e Rodrigo Conte (PSDB) estiveram na Casa Civil, em Porto Alegre, juntamente com o Presidente da Alsepro – Fabrício Schneider, buscando soluções para algumas demandas do DML.

Os parlamentares entregaram um ofício solicitando a desvinculação da região metropolitana e vinculação do posto de Lajeado à Coordenação de Perícias do Interior, a nomeação de mais profissionais e a reforma do espaço para a realização de necropsia. Ao final do encontro, a diretora-geral substituta do Instituto Geral de Perícia, Marguet Mittmann, mostrou concordância com as questões levantadas e prometeu dar um retorno para as solicitações até a próxima semana.

Texto: Artur Dullius
reporter@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui