Com atividades online, coordenadora da 24ª Região Tradicionalista afirma que é preciso inovar e se reinventar

Luce Carmén aposta nos valores do movimento para a retomada. Para ela, uma entidade tradicionalista é uma segunda família.


0
Luce Carmen da Rosa Mayer

Após ter uma série de eventos do calendário tradicionalista cancelados em função da pandemia, e a retomada, iniciada em novembro, ser paralisada em função da alta de casos no final do ano, a 24ª Região Tradicionalista busca reorganizar as suas atividades. Um foco especial será dado às ações online, explica a coordenadora, Luce Carmén da Rosa Mayer, enquanto perdurarem as incertezas sobre atividades presenciais.


ouça a entrevista

 


Conforme ela, serão realizados ensaios virtuais na parte artística, e na campeira, a intenção é fazer uma aproximação maior com patrões e laçadores em atividades onlines para discutir temas como indumentária e postura corretas, além da realização do laço virtual. Essa modalidade está permitida, desde que permaneça no ambiente somente o laçador, e que ele siga as orientações de saúde.

Luce diz que esta é uma estratégia para que os integrantes do movimento não se desmotivem, e para que os centros de tradições gaúchas (CTGs) consigam se manter, com arrecadação, em meio à pandemia. “É uma sistemática diferente, mas a gente precisa se reinventar e inovar”, afirma.

A coordenadora da 24ª Região reconhece que houve uma queda no número de participantes nas invernadas quando elas foram retomadas, em novembro, calculado em cerca de 5%. Para ela, além do medo de contágio, pesa o fator de diminuição de renda de muitas famílias, que têm custos como deslocamento e material para participar das atividades do MTG. “Teve sim uma queda. Por isso, nós achamos muito importante manter esse contato, para que a gente não perca mais dançarinos”, ressalta.

Luce reconhece que 2020 tem sido um ano difícil e atípico. Mas ela aposta nos valores do movimento para a retomada. “No momento que a gente passa a participar de uma entidade tradicionalista, nós temos a nossa segunda família”, estima.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui