Com retorno presencial obrigatório, educandário de Estrela terá que fazer escalonamento de alunos durante a semana

Cerca de 40% dos estudantes da Escola Vidal de Negreiros permaneciam em ensino remoto


0
Em razão do distanciamento de 1 metro entre as classes, cada sala comporta cerca de 20 alunos (Foto: Artur Dullius)

A partir desta segunda-feira (8), passa a ser obrigatório o retorno presencial dos alunos aos educandários do Rio Grande do Sul. Com a retomada, formalizada por meio de decreto estadual, os estudantes que optavam por continuar realizando todas as atividades escolares em casa, agora precisam, obrigatoriamente, frequentar as aulas no formato presencial.


ouça a reportagem

 


Na 3º Coordenadoria Regional de Educação, todos os 85 educandários ainda tinham alunos estudando de casa. Esta é a realidade da Escola Estadual de Educação Básica Vidal de Negreiros, em Estrela, onde cerca de 40% dos estudantes ainda permaneciam em ensino remoto. O educandário atende aproximadamente 450 alunos, do 1º do ensino fundamental ao 3º do ensino médio.

Segundo o diretor, Joel Mallmann, somente aqueles alunos com alguma comorbidade, que comprovarem isto a partir de um atestado médico, terão a possibilidade de continuar no modelo remoto. “A gente percebe que a escola novamente está ganhando vida, está movimentada, mas sempre com todos os cuidados, seguindo os protocolos que ainda são exigidos. É muito importante a gente continuar mantendo esta seriedade e saber que a pandemia está a nossa volta”, relata.

Segundo o diretor Joel Mallmann, muitos alunos do ensino médio começaram a trabalhar e acabaram pedindo transferência para o turno da noite (Foto: Artur Dullius)

A estrutura física da escola conta com 12 salas de aula. Mesmo que o educandário receba estudantes nos três turnos, será necessário um escalonamento em algumas turmas. Isso porque, em razão do distanciamento de 1 metro entre as classes, cada sala comporta cerca de 20 alunos. “Cinco ou seis turmas vão ter que vir para a escola de forma alternada. Metade dos alunos na segunda-feira, a outra metade na terça e assim por sequência”, explica o diretor.

Conforme Mallmann, nos dias em que estes estudantes estiverem em casa eles irão receber atividades para realizarem de forma remota. “A plataforma não vai ser totalmente escanteada. Agora ela está ai e vai ser utilizada. Então, os estudantes vão ter esta atividade para fazer em casa. É um instrumento que veio para para auxiliar a aprendizagem e eu creio que mesmo depois de encerrada a pandemia a plataforma não vai mais ser abandonada”, projeta.

Dentro do ambiente escolar, os jovens só podem deixar a sala da aula para irem ao banheiro ou para o lanche (Foto: Artur Dullius)

O diretor destacou ainda um importante movimento percebido desde o início das restrições impostas pela pandemia. Segundo ele, muitos alunos do ensino médio, especialmente do 3º ano, começaram a trabalhar e acabaram pedindo transferência para o turno da noite. Dentro do ambiente escolar, os jovens só podem deixar a sala da aula para irem ao banheiro ou para o lanche.

“O recreio continua não acontecendo, os alunos não tem essa possibilidade de frequentar o pátio da escola. Eles tem 15 minutos para o período do lanche. A saída das salas de aulas para o refeitório também acontece de forma escalonada, iniciando às 9h15 e vai até por volta das 10h40”, conclui.

Texto: Artur Dullius
reporter@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui