Conservas e compotas

Leia a coluna do agrônomo Nilo Cortez sobre formas de guardar alimentos, aproveitando frutas e hortaliças de época


0

Conservas e compotas são formas de guardar alimentos aproveitando frutas e hortaliças de época. Acompanhando as notícias da falta de vidros, me lembrei que tempos passados isto já aconteceu. Na época a explicação dada foi o crescimento das cervejeiras que demandavam mais garrafas. E a fabricação canalizou para quem comprava e pagava mais.
As agroindústrias de doces e conservas de médio e grande porte que também compravam vidros padrões sofreram com isto, mas, com maior poder de compra ainda conseguiam. Mas as pequenas agroindústrias quando conseguiam era por preço muito alto praticamente inviabilizando fazer o envasamento. Ou repassando ao consumidor que nem sempre está disposto a pagar mais caro.

Nos treinamentos de doces e conservas realizados no Centro de Treinamento de Montenegro nós alertávamos sempre para o uso de vidros e tampas novos. Com as dificuldades de mercado logo apareceu a criatividade do pessoal. A reutilização de vidros é possível seguindo certas regras. Nas feiras alguns trocavam por vidros com o consumidor. Estabeleciam um número (4-5) e quem entregava limpo e sem rótulo tinha um bônus ganhando uma amostrinha ou coisa parecida. Com isto iam se mantendo. Como a procura aumentou houve quem se dedicasse a recolher e comprar vidros. Lavavam e retiravam o rótulo e revendiam. Neste caso precisa ser de confiança uma vez que estes vidros recolhidos não poderiam ter sido usados com tintas, combustíveis ou outros produtos tóxicos e ou indesejáveis.

Para a limpeza dos vidros em casa ou na agroindústria era recomendado deixar de molho para a retirada de rótulos e depois a lavagem com detergente neutro e biodegradável. Alguns construíram lavadoras com pequeno motor e escova para ser mais rápido. Lembro da proteção da parte elétrica para evitar choque com a água.

Em quantidade maiores já vi colocar num tonel de plástico de 100 litros 0,5 kg de soda caustica e deixar de molho por no máximo seis horas, para o vidro não perder o brilho. Ajuda na limpeza e retirada do rótulo. É mais perigoso e obrigado o uso de EPI luvas, óculos de proteção, avental impermeável e botas. Esta água e reutilizada por 3 a 4 vezes dependendo da sujeira dos vidros. Depois pode ser colocada na estrumeira ou compostagem.

Uma vez limpo e antes do uso é preciso esterilizar os vidros. O mais comum e ferver por 15 minutos contados a partir do início da fervura (Banho Maria). Lembro de colocar pano no fundo da panela para evitar a quebra do vidro. Depois colocar de boca para baixo para esfriar. Nunca colocar sobre uma superfície fria pode quebrar por diferença de temperatura. O vidro padrão aquenta mais, o vidro maior a diferença de 15 a 20°C já pode rachar. Isto também vale para a hora de enchimento e o fundo do vidro deve ser aquecido com água para evitar que racham.

Tampas não se reciclam precisa ser movas. Elas perdem o poder de pressão e também enferruja com facilidade. O sal e acidez corroem a tampa. Para esteriliza-la basta um mergulho de 20-30 segundos na água fervente.

Outras formas de esterilizar:

– Micro-ondas, colocar de 4 a 6 colheres de sopa de água dentro do vidro e ligar na potência máxima por 2 minutos. Escorrer e deixar sobre um pano limpo de boca para baixo.

– Forno, colocar numa assadeira e deixar 15 minutos na temperatura não passando de 120°C para não quebrar. Deixar esfriar sobre um pano de boca para baixo.

– Máquina de lavar, colocar os vidros e no ciclo quente. Eles vão sair secos e esterilizados. (Internet, nunca fiz?)

Quanto a vidros os mais utilizados são os padrões para conservas. Vidro de café em pó não é para conservas, mesmo colocando plástico etc. Há vidros de empresas personalizados que não devem ser reutilizados é marca delas. Para quem faz conservas e compotas em casa tem vidros com sistema de “molas” e anéis de borracha que se dá uma presença e durabilidade muito boa. São antigos e caros, mas fica muito bonito e valorizados pela cozinha “gourmet”.

A situação atual de falta de embalagens é a falta de matéria prima. Uma pergunta? Onde vai essas milhões de embalagens de vidro, garrafas e assemelhados?

Escolha produto de boa qualidade e muito capricho e terá boas conservas e compotas.


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui