Cura simples para o soluço é descoberta por cientistas dos EUA

A pesquisa inicial foi feita com apenas 249 voluntários


0

Sabe aquele soluço chato, que aparece nas horas mais incertas e custa para passar? Ele pode estar com os dias contados. Pesquisadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, afirmam ter descoberto o primeiro tratamento científico para soluços.

O tratamento usa um simples canudinho de suco, que James Alvarez e seus colegas chamam de “Ferramenta de sucção e deglutição inspiratória forçada”. A pesquisa inicial foi feita com apenas 249 voluntários, para saber se a nova intervenção é melhor do que remédios caseiros para soluços – como respirar em um saco de papel, ou tomar água com o tronco curvado para a frente. E 92% voluntários aprovaram a eficácia da terapia norte-americana.

O professor Ali Siefi lembrou que “os soluços são irritantes para algumas pessoas, mas para outras eles afetam significativamente a qualidade de vida. Isso inclui muitos pacientes com lesão cerebral e derrame, e pacientes com câncer. Tivemos alguns pacientes com câncer neste estudo. Algumas quimioterapias causam soluços”, lembrou.

O canudo contra soluço

O canudinho antissoluço consiste em um tubo rígido com uma válvula de admissão que requer uma sucção forte para puxar a água de um copo para a boca. A sucção e a deglutição estimulam simultaneamente dois nervos, os nervos frênico e vago, para aliviar os soluços.

A sucção vigorosa também força o diafragma, um feixe de músculos que infla os pulmões durante a respiração, a se contrair. A sucção e a deglutição ainda atuam sobre a epiglote, uma aba que cobre a traqueia durante a deglutição, fazendo com que ela se feche. Juntas, essas ações acabaram com os espasmos de soluço e interromperam os soluços em quase 92% dos casos.

A satisfação

Em termos de satisfação, 226 dos 249 participantes (90,8%) disseram que consideraram a ferramenta fácil de usar.

Em relação à frequência dos soluços, 69% relataram ter o problema pelo menos uma vez ao mês, e a maioria dos casos (65%) eram transitórios, com menos de duas horas de duração.

Próximos passos

A equipe pretende agora submeter o canudinho antissoluço a um ensaio clínico duplo-cego, a ser realizado na Europa e nos EUA, comparando o novo canudo com um dispositivo fictício não funcional. Se tiver sucesso, a equipe planeja então colocar o dispositivo no mercado.

Fonte: Só Notícia Boa/ Com informações do Diário da Saúde


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui