Dengue em Lajeado: “Possibilidade de um surto é iminente”, diz coordenadora da Vigilância Epidemiológica

Município tem seis casos da doença confirmados e prepara um mutirão para o próximo sábado, dia 1º de maio


0
Mosquito transmissor da dengue, é um inseto urbano e 80% dos seus focos encontram-se no ambiente domiciliar (Foto: Gabriela Hautrive)

Após confirmar seis casos de pessoas com dengue, nesta segunda-feira (26), a Prefeitura de Lajeado prepara um mutirão para o próximo sábado (1º), focando no recolhimento de materiais descartáveis nos pátios dos bairros em que foram identificadas as confirmações, sendo dois moradores do Universitário, um do Alto do Parque, um do Campestre, um do Moinhos e um da área central da cidade.


ouça a reportagem

 


 

Conforme a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Juliana Demarchi, a partir dessas confirmações, a população precisa estar mais comprometida quanto às medidas de cuidados, visto que até o momento Lajeado só tinha a presença do mosquito, sendo desde de 2016 considerado infestado. “Com os casos confirmados, com pessoas doentes, a possibilidade de um surto e da contaminação de um número grande de pessoas é iminente”, relata.

Coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Juliana Demarchi, (Foto: Gabriela Hautrive)

Nenhum dos doentes precisou hospitalização até agora. Além destes casos, desde o início do ano, o município teve dez que deram resultado negativo e outros oito que seguem em investigação, aguardando o resultado dos exames. Todos os casos precisam ser validados pelo laboratório de referência do estado que é o Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (Lacen). “Dos nossos seis casos confirmados, dois tinham confirmação prévia de laboratório privado, os outros quatro foram todos certificados através do Lacen”, explica Juliana.

Até que o município seja considerado com transmissão sustentada, ou seja, a comprovação de que o vírus está circulando na cidade, é necessária essa confirmação do estado. A coordenadora ressalta que no momento em que se tem o paciente, o doente e o vetor transmissor da doença, a preocupação se torna ainda maior. “Uma das orientações é que as pessoas façam o uso de repelente, principalmente onde as pessoas tenham alguns sintomas sugestivos de dengue ou caso suspeito.”

Diante disso, agentes da prefeitura se mobilizam para realização de um mutirão de limpeza que será feito no sábado, focado no recolhimento de materiais descartáveis dos pátios dos moradores dos bairros citados. A ação também conta com a aplicação de produtos nas ruas e distribuição de panfletos na região. Um dos sintomas mais comuns da dengue é a febre, segundo Juliana. “Ela aparece de uma forma mais abrupta, alta, acima de 38 graus, dor no corpo, dor de cabeça e dor atrás dos olhos que é uma característica bem importante.”

Além dos sintomas citados, os pacientes infectados em Lajeado também apresentaram dores articulares, manchas vermelhas na pele e náuseas e vômitos. Em caso de identificação dos sintomas e suspeita da doença, a recomendação é procurar atendimento médico para realização do diagnóstico. Também é indicado o isolamento em casa para evitar ser picado por mosquitos, já que o inseto se contamina com o vírus e leva a doença para outras pessoas. Além do repelente, é recomendado o uso de roupas compridas que evitem a exposição da pele e previna a picada.

Análises são feitas pela bióloga e coordenadora da Vigilância Ambiental de Lajeado, Catiana Lanius (Foto: Gabriela Hautrive)

 

Aguardando produto para início dos trabalhos

Para esta terça-feira (27), estava previsto o trabalho de aplicação de inseticida em áreas de risco dos bairros Alto do Parque, Universitário e São Cristóvão, com produtos específicos para combater o Aedes Aegypti. Porém, conforme informação da prefeitura, não foi possível começar o trabalho na parte da manhã pelo fato de que o produto é fornecido pela 16ª Coordenadoria Regional de Saúde (16ª CRS) e eles ainda não fizeram a entrega, assim que feita, a atividade terá início.

Nesta ação será aplicado o produto em espaços de risco, como ferros-velhos e borracharias, que costumam ter pontos de água acumulada. Além disso, nos próximos dias, outro produto será também aplicado nas ruas para intensificar o combate, mas sua eficácia é restrita porque precisa atingir o inseto no ar.

130 focos do mosquito em Lajeado

O Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, é um inseto urbano e 80% dos seus focos encontram-se no ambiente domiciliar. Desta maneira, é importante que sejam mantidos todos os cuidados para não que não ocorra a transmissão da doença. Em 2021, já foram encontrados 130 focos de Aedes aegypti nas visitas domiciliares realizadas pelos Agentes de Combate às Endemias de Lajeado.

Entre janeiro e fevereiro, três casos suspeitos da doença no município foram descartados após a conclusão dos exames, mas a Vigilância Ambiental segue realizando, de forma permanente, as ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti, sendo executadas principalmente através das visitas domiciliares, que visam eliminar criadouros e orientar sobre as atitudes de cada residente no combate ao mosquito.

Casos de dengue na região

Além de Lajeado, há confirmação de casos de dengue em outros dois municípios do Vale do Taquari: Cruzeiro do Sul e Bom Retiro do Sul, onde a situação é considerada mais grave, sendo que existem mais de 200 pessoas infectadas na cidade. A situação já fez com que a prefeitura organizasse uma operação de combate a proliferação do mosquito.

Já em Cruzeiro, foi confirmado o primeiro caso nesta terça-feira (27) e existem outros dois suspeitos. O caso confirmado é de um servidor público de 52 anos, que circula por todo o município. Por isso não tem como precisar o local onde ele contraiu, mas o município já entrou em estado de alerta para a adoção de medidas preventivas ainda mais amplas para evitar aumento na transmissão.

Outra cidade em alerta é Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo. O local confirmou nesta segunda-feira (26), a segunda morte por dengue entre moradores do município, sendo que o primeiro óbito foi no dia 30 de março.

Texto: Gabriela Hautrive
reportagem@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui