Dubai: a cidade do maior prédio do mundo, da ilha em forma de palmeira, das águas dançantes, do deserto, do petróleo e muito mais

Com 2,2 milhões de habitantes, Dubai um dos sete emirados dos Emirados Árabes Unidos


0
Foto: Divulgação

Hoje vamos falar um pouco mais sobre Dubai, cidade que recebe a Expo 2020 e para onde vai, no início de fevereiro, a Missão Empresarial Acil 100 anos, formada por um grupo de empresários do Vale do Taquari.

Diferente do alguns pensam, Dubai não é um país. É um dos sete emirados dos Emirados Árabes Unidos e está localizado na Ásia Ocidental, que você talvez conheça pelo nome de Oriente Médio, ao longo da costa sul do golfo Pérsico na península Arábica na Ásia.

Possui a maior população do seu país com 2.262.000 habitantes. A título de comparação, a cidade mais populosa do Brasil é São Paulo, com 12.396.372 habitantes e o nosso país tem oito cidades com mais moradores. Dubai tem mais moradores do que Porto Alegre (1.492.530) e se assemelha à população de Belo Horizonte (2.530.701).

Mais de 16 milhões de pessoas visitam a cidade dos sheiks todos os anos em busca de seus hotéis luxuosos, shoppings futuristas, carros de última geração e restaurantes premiados.
Dubai se destaca por ter imensos arranha-céus com design futurista e belíssimas ilhas artificiais que abrigam complexos de hospedagem.

O ponto onde hoje está o Burj Khalifa, maior edifício do mundo, com mais de 828 metros de altura, distribuídos em 163 andares era um pedaço de deserto até meados de 2010. A torre começou a ser erguida em 2004 em Dubai e demorou 5 anos para ser concluída; mais de 12 mil pessoas do mundo todo trabalharam na construção.

Burj Khalifa tem 828 metros de altura

Localizada em meio ao Deserto Arábico, Dubai é uma cidade muito quente: no verão, as temperaturas podem ficar acima de 40ºC até durante a madrugada. Por isso, não se recomenda a viagem no verão. Afinal, mesmo com o mais potente dos aparelhos de ar-condicionado pode ser difícil tolerar temperaturas tão extremas, especialmente em passeios ao ar livre.

Os meses mais amenos, de novembro a abril, são os mais indicados para turismo, que é justamente o período em que a nossa expedição irá. Pelas informações de moradores locais, no momento as temperaturas tem variado entre 15ºC e 26ºC.

É possível explicar a prosperidade do maior centro urbano dos Emirados Árabes Unidos de duas formas: por conta do petróleo e graças ao turismo. A região onde fica Dubai é uma das maiores produtoras de petróleo do mundo. Como boa parte do mineral é exportada para outros países, a balança comercial é sempre bastante vantajosa para o emirado.

Um dos destaques da região costeira da cidade, a Dubai Marina fica às margens do Golfo Pérsico, perto de polos comerciais, bons hotéis, restaurantes requintados e casas noturnas animadas. O bairro tem fácil acesso a praias particulares e públicas, bem como ao canal artificial exclusivo ao trânsito de barcos de passeio.

Nenhuma região de Dubai é tão conhecida quanto The Palm Jumeirah, a famosa ilha artificial em formato de palmeira. A área está relativamente isolada do restante da cidade, mas oferece uma boa rede de transporte público. Em geral, os hotéis da região de The Palm Jumeirah dispõem de praia privativa e estrutura ampliada de lazer.

The Palm Jumeirah é uma ilha em forma de palmeira criada artificialmente

As Dubai Fountains ostentam o título de maior espetáculo de águas dançantes do planeta e outra atração do emirado é o Safári Noturno, que acontece entre as 16h e 22h, no qual os turistas podem passear de caminhonete pelas dunas, andar de camelo e desfrutar de um jantar e apresentação de dança no meio do deserto. E tudo isso, será conferido de perto pela comitiva do Vale do Taquari, onde estará o jornalista Ricardo Sander, representando a Rádio Independente.

A cobertura da Missão Empresarial para a Expo 2020 Dubai na Rádio Independente tem o apoio de: Sollar Sul Energia Solar, Brincasa e agora também Languiru, Smart Tecnologia em Comunicação e Kaimon Concessionária Mitsubishi.

The Dubai Fountain, as águas dançantes de Dubai

Texto: Ricardo Sander
ricardosander@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui