Eduardo Leite aceita ser alternativa tucana à Presidência da República

Em encontro, no Palácio Piratini, integrantes da bancada do PSDB elogiaram trabalho e 'maneira de governar' do gaúcho


2
Foto: Fabiano do Amaral (reprodução Correio do Povo / 11.02.2021)

Com um portifólio de reformas e de conquistas nos dois primeiros anos, o governador Eduardo Leite (PSDB) deverá percorrer o país para apresentar o seu nome e seu modelo de fazer gestão. A estratégia busca consolidar o caminho para que ele seja uma opção da sigla para a sucessão de Jair Bolsonaro (sem partido), em 2022. Apesar de os tucanos afirmarem, em mais de uma vez, que o encontro não era uma reação, ele ocorreu no momento que o governador de São Paulo, João Doria, pressiona a bancada federal para que o partido amplie a oposição a Bolsonaro.

O compromisso de percorrer o país foi aceito após almoço com parlamentares do partido, no Galpão Crioulo, do Palácio Piratini, nesta quinta-feira. Durante 40 minutos, Leite falou do seu projeto de governo no Estado e conquistas à frente do comando do Estado, o que ampliou a boa impressão entre os colegas de partido, que comentaram inclusive que ele havia ‘superado’ a expectativa.

O grupo, capitaneado pelo senador Rodrigo Cunha (AL) e pelo deputado Paulo Cunha Lima (PB), além dos gaúchos Lucas Redecker e Daniel Trzeciak, buscou evitar possíveis comentários sobre o governador de São Paulo. Mesmo sem tratar diretamente o assunto, em vários momentos os parlamentares citaram que querem dialogar e construir um projeto a partir da convergência e não por uma possível imposição. “(O objetivo) é buscar uma agenda de ideias. Propósitos. Depois buscar um nome”, destacou o senador.E a construção de uma oposição consciente, evitando ser uma “oposição apenas no interesse eleitoral”.

Não faltaram elogios ao colega gaúcho. Único senador presente, Cunha chegou a abrir o seu discurso informando que “estar neste momento faz sentido estar no PSDB”. Na mesma linha, Paulo Cunha Lima disse admirar o que o governador gaúcho representa, indo contra os modelos de extremismos. “O governador é um pilar para construir uma caminhada para o Brasil”. Em resposta aos elogios, Eduardo Leite enalteceu a maneira de se fazer político do Rio Grande do Sul. “Viemos para compartilhar que temos uma mesma visão de fazer política. Uma forma de fazer política que o Rio Grande do Sul faz e o que o país tenha esquecido”, completou.

Ao fim, Leite afirmou que o seu compromisso é como governador e que tem pela frente ainda importantes projetos em andamento, como o pacote enviado à Assembleia Legislativa.

Fonte: Correio do Povo

2 Comentários

  1. mas qual o exemplo benéfico que este traste nos trouxe ao RS que serve de modelo p país. Isso é um moleque e vai ser um fantoche a toda corja que estará por trás.
    # vergonhaalheia

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui