Elisabete Barreto Müller faz apelo para municípios firmarem convênio com a Casa de Passagem do Vale

Lar temporário para mulheres e crianças vítimas da violência doméstica passa por dificuldades de manutenção. Apenas nove dos 36 municípios do Vale do Taquari são conveniados


1
Delegada aposentada Elisabete Müller (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

A delegada aposentada e membro do Conselho Diretor da Casa de Passagem do Vale, Elisabete Barreto Müller faz apelo para os municípios da região aderirem ao convênio com o lar temporário para mulheres e crianças vítimas da violência doméstica. Apenas nove dos 36 municípios do Vale do Taquari são conveniados, são eles: Lajeado, Arroio do Meio, Cruzeiro do Sul, Capitão, Estrela, Teutônia, Marques de Souza, Coqueiro Baixo e Santa Clara do Sul.

A pandemia de coronavírus teria agravado as condições financeiras para manutenção do local. Seu endereço fica no Vale do Taquari e não é divulgado em razão à necessidade de sigilo para proteção das abrigadas.

“Não é justo ao município que não é conveniado, quando precisar, querer encaminhar. Isso é muito triste para todos”, lamenta Elisabete, em entrevista ao programa Panorama na manhã desta segunda-feira (14). “É importante que as pessoas nos ajudem a conscientizar os municípios sobre a importância de se conveniarem.”


ouça a entrevista 

 


 

“É como se fosse um seguro de vida ter a Casa de Passagem, porque precisamos salvar vidas”, enfatiza a delegada aposentada.

O valor repassado à entidade é compatível com o tamanho de cada município. O lar temporário tem capacidade para atender 25 pessoas, entre mulheres e seus filhos. A ex-delegada comenta que a permanência na casa não é tão acentuada depois da Lei Maria da Penha, e o número de entradas oscila muito, sendo maior na sexta-feira à noite.

De acordo com Elisabete, a Casa de Passagem é o único lar temporário para mulheres e crianças vítimas da violência doméstica do Vale do Taquari. “Ela tem um diferencial pois é formada por voluntários. É uma ONG”, especifica.

Interessados em realizar doações podem fazê-lo realizando contato com o e-mail: casadepassagemvaledotaquari@gmail.com; ou enviar um Pix para a chave: 0276164700161.

A Casa de Passagem

Os objetivos do lar são oferecer um espaço de acolhimento e proteção; oportunizar a valorização e inclusão social, favorecer o resgate da autoestima, além de proporcionar o acesso à rede de serviços socioassistenciais, das demais políticas públicas e do sistema de justiça. Segundo a ex-delegada, para ser atendida na instituição, a mulher vítima de violência deve registrar ocorrência na Polícia Civil. Após ser encaminhada pela Polícia à casa, ela será recebida pela zeladora, a qual, além de acolhê-la, também a colocará a par das normas da entidade.

A mulher é atendida pela assistente social, psicóloga e demais voluntárias da equipe técnica, se for necessário. Após essa primeira entrevista com as profissionais, são feitos os devidos encaminhamentos. Nesses atendimentos, utiliza-se uma rede de profissionais e entidades para que o mais brevemente possível a vítima possa retornar às suas atividades normais, mas, dessa vez, sem a marca da violência. RG

1 comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui