Em Torres, 400 quilos de alimentos impróprios para o consumo humano são apreendidos e inutilizados

Equipes encontraram produtos vencidos, mal-conservados e sem indicação de procedência


0
Foto: Divulgação/MP-RS

Durante fiscalização em três minimercados de Torres (Litoral Norte do Estado), agentes da Força-Tarefa do Programa de Segurança Alimentar do Ministério Público do Rio Grande do Sul apreenderam cerca de 400 quilos de itens impróprios para o consumo humano. Todos os itens foram inutilizados.

Dentre os principais problemas flagrados pela equipe estavam produtos sem indicação de procedência, com prazo vencido e mantidos em temperatura inadequada. A padaria de um dos estabelecimentos foi interditada, medida que se repetiu no açougue de outro dos endereços. Já na terceira empresa não foram constatadas irregularidades.

Participaram da operação servidores e o coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – Segurança Alimentar, Alcindo Luz Bastos da Silva Filho e o promotor de Justiça da Promotoria Especializada Criminal de Porto Alegre Mauro Lucio da Cunha Rockenbach.

Eles contaram com o apoio de representantes da Vigilância Sanitária Municipal de Torres, Vigilância Sanitária Estadual da 18ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Delegacia do Consumidor e Patrulha Ambiental da Brigada Militar (Patram-BM).

Tramandaí

Também no Litoral Norte, agentes da força-tarefa do Programa Segurança Alimentar vistoriaram um bar e três mercados de Tramandaí. Saldo da operação: 1,06 tonelada de produtos apreendidos e inutilizados. Um dos mercados foi totalmente interditado, ao passo que no outro a medida ficou restrita ao açougue e padaria.

As irregularidades foram praticamente as mesas encontradas em Torres: falta da indicação de procedência, produtos vencidos e conservados de forma inadequada, colocando em risco a saúde dos consumidores.

Participaram da operação o coordenador e servidores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – Segurança Alimentar, Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, o promotor de Justiça de Tramandaí Rodrigo Ballverdú Louzada, o promotor de Justiça da Promotoria Especializada Criminal de Porto Alegre Mauro Lucio da Cunha Rockenbach.

Acompanharam a ofensiva representantes da Vigilância Sanitária Municipal de Tramandaí, Vigilância Sanitária Estadual da 18ª Coordenadoria Regional de Saúde, Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Delegacia do Consumidor, Patrulha Ambiental da BM.

Fonte: O Sul

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui