Enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem buscam apoio para projeto que estipula piso salarial para as categorias

Profissionais defendem a importância das categorias nas políticas públicas de saúde e relatam plantões exaustivos e falta de um piso nacional


0
Foto: Pixabay / Ilustrativa

Enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parteiras pedem a aprovação de um projeto de lei que institui um piso salarial para as profissões. O texto, apresentado pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES), fixa o piso em R$ 7.315 para enfermeiros.

As demais categorias terão o piso proporcional a esse valor: 70% (R$ 5.120) para os técnicos de enfermagem e 50% (R$ 3.657) para os auxiliares de enfermagem e as parteiras. O relatório da senadora Zenaide Maia (Pros-RN) prevê que a jornada normal de trabalho desses profissionais não será superior a 30 horas semanais.


ouça a entrevista

 


Conforme a enfermeira Ernanda Mezaroba, em entrevista no programa Troca de Ideias, os valores que o projeto estipula são considerados pelas categorias como o ideal, “e é isso que a gente busca”. Ela reconhece que, nas negociações, podem ocorrer flexibilizações, mas deve chegar a um piso mínimo aceitável. Ernanda explica que, em nível nacional, não existiria um piso atualmente. A luta por esse objetivo já ocorre ha cerca de 20 anos no Congresso Nacional.

Ernanda e Neiva em entrevista à Rádio Independente (Foto: Rita de Cássia)

Neiva Bianchetti da Silva relata que, em função do baixo piso salarial, a enfermagem perdeu muitos profissionais adoecidos. Ela relata que os enfermeiros enfretam plantões exaustivos, atuam geralmente em dois empregos para poderem ter qualidade de vida, e, por isso, ficam longes de suas famílias no convívio diário. Neiva lembra que o mês de maio é destinado a valorizar e dar ênfase maior à enfermagem. Ela pede que a sociedade observe a atuação desses profissionais na linha de frente da pandemia e ajude na melhoria das condições de trabalho.

Ernanda ressalta a importância dos enfermeiros na implementação e na manutenção de políticas públicas de saúde.

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui