Considerado uma renda extra para produtores de vinho, o enoturismo vem crescendo no País, principalmente na serra gaúcha, enquanto o setor amarga queda de vendas, aumento de custos e fechamento de pequenas empresas.

Não à toa, nos últimos anos a categoria tem se mobilizado para atrair turistas às regiões produtoras, com projetos integrados, a exemplo do festival Dia do Vinho, realizado de forma descentralizada e simultânea em dezenas de municípios de três regiões do Brasil (Sul, Sudeste e Nordeste).

Realizado pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi-RS) e pelo Sindicato Empresarial de Gastronomia e Hotelaria (Segh) – Região Uva e Vinho, o evento – que este ano se iniciou em 19 de maio e segue até 4 de junho – promove atividades em uma diversidade de lugares e empreendimentos, principalmente vinícolas, hotéis, pousadas, bares e restaurantes do Rio Grande do Sul, São Paulo, Bahia e Pernambuco.

O enoturismo vem se tornando cada vez mais forte, principalmente para pequenas e médias empresas, que chegam a comercializar 100% da sua produção para visitantes em vinícolas.

Enquanto os passeios e degustações nas empresas crescem, o setor vitivinícola, que nos últimos cinco anos viu o número de empresas cair pela metade (passando de 600 para cerca de 390 indústrias) ainda amargou, primeiro trimestre deste ano, uma queda de 30% na comercialização da produção (95% oriunda do Estado).

Paralelo a isso, houve aumento de 50% da importação (em volume de vinhos de menor valor) no mesmo período e diminuição de 5% no consumo da bebida em 2016.

Os destinos do enoturismo no Estado estão localizados no Vale dos Vinhedos, e nas rotas dos municípios de Pinto Bandeira, Flores da Cunha, Farroupilha, Monte Belo do Sul, e Garibaldi. A maioria das empresas é de pequeno porte. A lei que instituiu o Dia do Vinho no Rio Grande do Sul (comemorado no primeiro domingo de junho de cada ano) foi promulgada pela Assembleia Legislativa do Estado em 12 de dezembro de 2003 –

Fonte: Jornal do Comércio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui