Estado contabiliza dois novos óbitos e nove casos de Covid-19 para região nesta segunda-feira

As mortes são de pacientes de Lajeado e Tabaí. Dos 14.041 pacientes que já testaram positivo para doença no Vale, 91% estão recuperados.


0
Foto: Reprodução / Shutterstock

A Secretaria Estadual de Saúde atribuiu dois novos óbitos e outras nove infecções por coronavírus para o Vale do Taquari nesta segunda-feira (7). As mortes são de pacientes de Lajeado e Tabaí. O caso de Lajeado foi informado na manhã desta segunda-feira pelo Hospital Bruno Born. A vítima é uma mulher de 77 anos, a 54ª morte em decorrência da doença no município.

Já a situação de Tabaí não havia sido informado anteriormente, apenas foi notificada pelo Estado na atualização diária e confirmada pelo município. O paciente é um homem de 56 anos que faleceu no dia 1º de dezembro. As novas infecções desta segunda são em apenas seis cidades da região: Teutônia (três) e Lajeado (dois). As cidades que tiveram um caso novo foram: Estrela, Taquari, Encantado e Dois Lajeados.

Em Lajeado, conforme informações da prefeitura, divulgadas nesta segunda-feira, eram 5.455 casos confirmados desde o início da pandemia, sendo 82 novos informados nas últimas 24h. Além disso, município informava 76 novos pacientes curados da doença, totalizando 4.964 e 437 casos ativos para o vírus. Os dados do Estado dão conta de um total de 5.306 infecções para Lajeado, sendo dois novos casos notificados nesta segunda.

O Vale do Taquari chegou a um total de 14.041 casos confirmados de coronavírus. São 12.759 pacientes já recuperados (91%), 163 óbitos reconhecidos pelo Estado, com uma taxa de letalidade de 1,1%, e outros 1.120 (7,9%) pacientes que ainda são considerados ativos, ou seja, pessoas que não passaram pelo ciclo de contaminação do vírus e precisam ficar em isolamento.

Leitos de UTI no Vale

Dos 65 leitos de UTI disponíveis no Vale do Taquari, 51 (78,5%) estavam ocupados às 17h30 desta segunda-feira (7). Eram 22 pessoas em leitos de UTI geral (43,1%), sem ligação com a Covid-19, outras 24 com confirmação de coronavírus (47,1%) e outros cinco pacientes com suspeita do vírus, representando 9,8%.

O Hospital Bruno Born, de Lajeado, tem 30 leitos de UTI, sendo que 25 estavam ocupados (83,3%). Eram 16 pessoas em leitos de UTI geral (64%), sem ligação com a Covid-19, outras sete com confirmação de coronavírus (28%) e duas com suspeita do vírus (8%).

O Hospital Estrela, em Estrela, dispõe de 20 leitos de UTI, sendo que 15 estavam ocupados (75%). São nove com confirmação para a doença (60%), além de seis em UTI geral, sem ligação com a Covid-19 (40%) e nenhum paciente com suspeita de infecção.

O Hospital de Caridade São José, de Taquari, tem 10 leitos de UTI, sendo que sete estavam ocupados (70%). São cinco com confirmação de coronavírus (71,4%) e dois com suspeita (28,6%), com nenhum paciente ocupando leitos de UTI geral.

Já o Hospital Beneficente Santa Terezinha, de Encantado, tem cinco leitos de UTI e quatro estavam ocupados (80%), sendo três pacientes com confirmação da doença, representando 75%, e um com suspeita (25%).

Estado

O Rio Grande do Sul registra nesta segunda-feira (7), 1.658 novos casos de Covid-19 e chega a um total de 350.569. O número estimado de recuperados é de 323.115 (92% dos casos); em acompanhamento, 20.175 (6%); e 7.235 óbitos no total, sendo que 52 foram divulgados nesta segunda pela Secretaria Estadual da Saúde.

Brasil

O Brasil tem 177.006 mortes por coronavírus e 6.605.245 casos confirmados até às 13h desta segunda-feira (7), segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. Desde o balanço das 20h de domingo (6), seis estados atualizaram seus dados: CE, GO, MG, MS, PE e TO. No domingo, às 20h, o balanço indicou: 176.962 mortes por Covid-19 desde o começo da pandemia, 321 nas últimas 24 horas. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 588, a mais alta registrada desde 11 de outubro — nesse dia, a média foi de 590. A variação foi de +18% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de alta nos óbitos pela doença. Fonte: G1

Texto: Gabriela Hautrive
producao@independente.com.br

Arte: Grupo Independente

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui