“Estamos em alerta”, diz coordenadora da Vigilância Ambiental de Lajeado sobre casos de dengue

Conforme Catiana Lanius, as ações de combate e prevenção ao mosquito transmissor serão direcionadas para os bairros com maiores índices de infestação.


0
Coordenadora da Vigilância Ambiental, Catiana Lanius (Foto: Jonas de Siqueira)

O último levantamento feito pela Vigilância Ambiental de Lajeado, setor vinculado à Secretaria Municipal da Saúde (Sesa), entre os dias 31 de novembro e 9 de dezembro e que determina o nível de infestação no município, apontou que o número de focos cresceu 177% comparado ao mesmo período do ano passado. A quantidade passou de 9 para 25 focos. Com esses resultados, o município foi enquadrado como risco médio para transmissão de dengue, zika e chikungunya. A fim de frear possível surto de dengue, Câmara aprova contratação de 10 agentes de combate a endemias.


OUÇA A ENTREVISTA


Para a bióloga e coordenadora da Vigilância Ambiental de Lajeado, Catiana Lanius, o aumento significativo se deve às altas temperaturas, que aceleram o ciclo de vida do mosquito, e também ao descuido da população. A bióloga esclarece que a presença do inseto é mais comum em áreas urbanas. “80% dos focos são encontrados em residências”, aponta. Conforme ela, a grande maioria das larvas é encontrada em pratinhos para vasos de flor. “A larva do mosquito tem fotofobia, ou seja, prefere ambientes sem a presença de luz direta”, esclarece. 

Segundo a coordenadora, as ações de combate e prevenção ao mosquito transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus serão direcionadas para os bairros em que o Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) constatou maior nível de infestação. Conforme o levantamento, o Bairro Santo Antônio teve o maior índice de infestação, os bairros Planalto e Campestre apontaram risco de proliferação.

A coordenadora da Vigilância Ambiental de Lajeado detalha que as ações de rotina são focadas na orientação sobre a importância da verificação semanal para identificação e eliminação de possíveis criadouros do mosquito no domicílio. Catiana explica que conforme orientação do pelo Ministério da Saúde,  a aplicação de inseticida pelas ruas e residências só é autorizada em casos de surto de epidemia.

O RS teve 6 óbitos de Dengue, sendo um deles confirmado em Venâncio Aires. “Estamos em alerta, podemos ter pessoas com dengue”. Catiana revela que no município de Lajeado tem um caso suspeito, a coleta de amostra de sangue para confirmação deverá ser feita na terça-feira (2). 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui