Estrela realiza ações para promover discussão sobre suicídio

Decoração especial está espalhada pelo município


0

O Governo de Estrela, por meio das secretarias Especial de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) e da Saúde, realizam uma programação especial para tratar do suicídio. Os eventos fazem parte do ‘Setembro Amarelo’, que desde 2018 está no calendário oficial do município, e têm por objetivo conscientizar a comunidade sobre a atenção necessária ao tema.

A psicóloga Beatriz Souza Iochims, que está à frente das ações, revela que o suicídio é uma doença silenciosa, que dá sinais de sua manifestação em quem passa pelo sofrimento, e que sobretudo, pode ser evitada. “O importante é saber falar disso. Quando se tem alguém próximo que está em sofrimento não é possível fazer comparações entre situações. As pessoas que tentam o suicídio não têm vontade de morrer, mas sim, de acabar com o sofrimento”, alerta Beatriz.

Por meio da parceria, a Secel instalou – em cinco pontos diferentes do município – uma decoração especial, evidenciando o amarelo, cor da causa, cujo objetivo é alertar para a necessidade de discutir-se o tema. Segundo a secretária Especial de Cultura, Esporte e Lazer, Carine Schwingel, o tema precisa ser exposto de alguma forma. “Por isso estamos em parceria com esta programação, criando espaços de reflexão, por meio da decoração especial instalada no município”, diz Carine.

Além da mobilização com as secretarias municipais, a psicóloga Beatriz realizará eventos presenciais de discussão. “Neste ano, faremos seis palestras gratuitas, em algumas comunidades, para informar as pessoas sobre a importância deste tema”, destaca a organizadora da programação.

Na próxima sexta-feira (10), Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio, a psicóloga Beatriz Iochims montará um posto de atendimento na Praça Menna Barreto, no Centro. Das 13h30 às 16h30, ela vai orientar – de forma gratuita – quem procurar mais informações sobre a prevenção ao suicídio. “Tratar destes temas é muito importante, ainda mais neste momento de pandemia, em que doenças como depressão e ansiedade estão afetando praticamente todas as famílias”, reforça Carine. AI/VM


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui