EUA enviarão à Alemanha seis aviões para bloquear radares inimigos

Os aviões são do modelo EA-18G Growler. As aeronaves não estão sendo enviados para serem utilizados contra as forças russas na Ucrânia


0
Imagem de arquivo de um caça F/A-18 Hornet (Foto: Marinha dos Estados Unidos)

Os Estados Unidos enviarão seis aviões à Alemanha para bloquear radares inimigos informaram as Forças Armadas americanas nesta segunda-feira (28).

O objetivo é melhorar as capacidade de defesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no leste da Europa.

Os aviões são do modelo EA-18G Growler. As aeronaves não estão sendo enviados para serem utilizados contra as forças russas na Ucrânia, afirmou o porta-voz das Forças Armadas, John Kirby.

Kirby disse que os aviões eram esperados nesta segunda-feira na Base Aérea de Spangdahlem, no oeste da Alemanha, procedentes da Estação Aérea Naval de Whidbey Island, no estado de Washington.

Sensores para evitar radares dos inimigos

O porta-voz informou que os aviões, uma versão modificada do F/A-18, utilizam sensores para interferir no funcionamento dos radares e sistemas de defesa aéreo inimigos.

Os aviões serão acompanhados do envio de 240 integrantes da Marinha americana para a Alemanha, acrescentou o porta-voz.

A Casa Branca planeja destinar US$ 6,9 bilhões (R$ 33 bilhões) para ajudar a Ucrânia a se defender da invasão russa e apoiar os países-membros da Otan, segundo sua proposta orçamentária revelada nesta segunda-feira.

Os Estados Unidos incrementaram a ajuda à Ucrânia após a invasão russa, incluindo assistência em matéria de segurança e ajuda humanitária.

Ucrânia pede mais

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu aos países da Otan que enviassem mais armas à Ucrânia, como aviões de combate avançados, sistemas de defesa antimísseis, tanques, veículos blindados e mísseis.

Washington, no entanto, descartou até agora o envio de aviões e armamento de grande potencial ofensivo à Ucrânia.

O presidente americano, Joe Biden, disse que não quer cruzar a linha do que, segundo ele, poderia se transformar na “Terceira Guerra Mundial”, o enfrentamento entre uma Rússia com armas nucleares e a Otan.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui