Existem empresas “movendo uma usina para ascender uma lâmpada”

Fazer mais com menos é um conceito que nunca sai de moda.


0
Gustavo Bozetti, diretor da Fundação Napoleon Hill e do MasterMind RS (Foto: Tiago Silva)

Havia um povoado que viva em uma região bem distante. Esse povoado costumava se alimentar de produtos naturais cultivados naquela mesma localidade. Um dos alimentos que eles costumavam comer era carne de porco crua. Certa feita, um raio incendiou o bosque onde viviam os porcos, queimando os animais que viviam ali. Pela primeira vez, os habitantes daquele localidade foram forçados a provar a carne dos porcos depois do incêndio. Para surpresa daquele vilarejo, as pessoas gostaram muito da carne de porco assada pelo incêndio, mudando o hábito alimentar.


ouça o comentário

 


Com essa nova demanda, as pessoas daquele vilarejo saíram incendiando os bosques pela redondeza para poder comer os porcos assados. Esse gesto acabou tendo inúmeras consequências. O incêndio era de difícil controle. A umidade, muitas vezes, apagava o fogo. Os porcos não assavam de forma homogênea. Foi aí que o povoado decidiu se organizar. Formaram um grupo especialista em análise dos bosques que seriam queimados. Outro grupo ficou “expert” em atear fogo na mata. Um terceiro grupo se especializou em verificar a homogeneidade dos porcos assados que seriam coletados. Tudo para que o povoado pudesse desfrutar do delicioso churrasco de carne de porco assado.

Porém, depois de alguns bosques queimados, começou o debate sobre os problemas gerados por esse modelo. Até que um senhor apresentou a ideia de criar porcos em cativeiro para depois abatê-los e assá-los em pequenas porções de brasa controlada. Foi aí que o chefe do vilarejo questionou: – Mas o que fazer com o grupo responsável pela avaliação dos bosques? O que fazer com o grupo que é responsável pelas queimadas? E com o grupo que seleciona os porcos? O problema é muito mais complexo do que parece. – finalizou o chefe. Por fim, as queimadas continuaram até que um outro vilarejo provou que haviam formas melhores de fazer porco assado, através da criação em cativeiro, abate controlado e carne assada na brasa.

Gosto dessa fábula, de autor desconhecido, pois ela se assemelha muito com aspectos que observamos em diversas organizações atuais. Ainda nos deparamos com modelos de gestão completamente ultrapassados. Cansamos de ver empresas apegadas ao passado sem conseguir implementar as mudanças que se fazem necessárias hoje. Ainda convivemos com leis que foram constituídas há décadas, quando o cenário era outro, completamente diferente. E o que é pior, existem pessoas muito próximas de nós que estão nos alertando com relação a essas mudanças, mas temos resistência em ouvi-las. A melhoria na gestão é uma constante que nunca terá fim. É fundamental observá-la para que possamos manter, sempre, os nossos resultados no mais alto nível. Você está atualizado? Você é eficaz na sua gestão? A sua operação é enxuta ou você “move uma usina para ascender uma lâmpada”? Forte abraço e até a vitória, sempre.

Gustavo Bozetti (@gustavobozetti), diretor da Fundação Napoleon Hill e MasterMind RS

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui