Exposição de roupas e acessórios que marcam a história do gaúcho é aberta em Lajeado

Trabalho leva o nome de “Mês Farroupilha: modo de vestir e os usos e costumes do gaúcho através dos tempos” e fica disponível para comunidade até o dia 30 de setembro


0
O responsável pela criação das vestimentas disse que objetivo do trabalho é contar a história do gaúcho através da sua indumentária (Foto: Gabriela Hautrive)

Quem entrar no salão principal da Casa de Cultura de Lajeado pelos próximos dias, até 30 de setembro, poderá realizar uma viagem no tempo com demonstração de indumentárias que marcam a história do gaúcho, desde o traje primitivo, farroupilha, estancieiro, charqueador, até o traje atual, além de objetos que fazem parte das atividades cotidianas e festivas do gaúcho. Os itens contemplam a exposição “Mês Farroupilha: modo de vestir e os usos e costumes do gaúcho através dos tempos”, que já estava aberta para visitação, mas teve seu lançamento oficial na manhã desta terça-feira (14), data que marca também, o início da Semana Farroupilha de Lajeado.


OUÇA A REPORTAGEM 


Tradicionalista e proprietário do Atelier Traço Gaúcho, Joni Bilhar (Foto: Gabriela Hautrive)

Segundo o tradicionalista e proprietário do Atelier Traço Gaúcho, Joni Bilhar, responsável pela criação das vestimentas, o objetivo do trabalho é contar um pouco da história do gaúcho através da sua indumentária. “Importância que isso tem como cultura para o nosso povo, então aqui de forma cronológica, nós estamos contando os períodos da indumentária, desde o período primitivo que começa lá e 1600, quando a gente tem as roupas que o primeiro gaúcho usava, que era basicamente os materiais que ele tinha acesso naquele tempo, que era o algodão e o coro”, explica.

Com o passar dos tempos, o tradicionalista lembra das influências que a indumentária cria de acordo com os povos, com as culturas que vão se misturando com o gaúcho, principalmente com a colonização europeia. “A forma como as peças vão sendo elaboradas com técnicas mais precisas, por exemplo os macrames, todas as partes de artesanato, utilização de crochê nos detalhes das roupas das prendas e a gente vai evoluindo nos trajes”, relata. A evolução, além do design e uso de materiais, também representa a realidade de cada tempo em que ela era usada, segundo Bilhar.

“Primeiro é o primitivo, depois a gente tem o traje do estancieiro, que era aquele gaúcho mais rico, o dono das estâncias. Depois a gente tem um charqueador que é um traje que foi muito utilizado, principalmente na região de Pelotas, que onde existe as charqueadas que é um traje muito rico que demonstra o poder aqui aquisitivo daquele Gaúcho, daquele local”, explica.

Todo esse processo é feito até se chegar a pilcha utilizada atualmente. “A bombacha, considerada inclusive como traje oficial do nosso Estado, que tem suas particularidades também dependendo do lugar que esteja presente, na Serra Gaúcha é usada um pouco mais ajustada, na fronteira uma bombacha mais larga e ainda tem os detalhes dos favos que são feitos totalmente de forma artesanal e existem inúmeras possibilidades de favos”.

Secretário da Cultura, Esporte e Lazer de Lajeado, Carlos Reckziegel (Foto: Gabriela Hautrive)

São elementos que também fazem parte das características da cultura e colonização, segundo o tradicionalista. “A gente percebe, ao fazer pesquisas, que essa situação de fato estava presente nas roupas dos artesanatos da época, e hoje mostra a importância de toda essa miscigenação para formar o que o que nós somos”, entende.

O evento também contou com participação do Secretário da Cultura, Esporte e Lazer de Lajeado, Carlos Reckziegel que elogiou todos os envolvidos na exposição. “Um show a parte pelo o que já estávamos vendo quando ela estava sendo montada, isso mostra a importância de termos um Conselho de Cultura, trazendo conhecimento, críticas e soluções, isso faz com que cada vez mais possamos ter políticas assertivas na cultura de Lajeado e região”, disse o secretário.

A cerimônia de lançamento foi encerrada com execução do Hino Rio-Grandense com violino, em apresentação do médico veterinário, Antonio Carlos Trierweiler. A promoção da exposição é da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Lajeado (Secel), Conselho Municipal de Política Cultural/Setorial do Tradicionalismo Gaúcho e Atelier Traço Gaúcho. “A exposição funciona de segunda a quinta, no período da manhã e da tarde, e sexta-feira sem fechar meio-dia. Fica o convite para conferir”, finaliza Bilhar.

Execução do Hino Rio-Grandense com violino, em apresentação do médico veterinário, Antonio Carlos Trierweiler (Foto: Gabriela Hautrive)

Pesquisa e produção das roupas

A produção dos trajes e resgate da história conta com muita pesquisa, conforme Joni Bilhar. “Por exemplo, para CTG’s que participam de eventos oficiais ligados ao MTG e precisam de uma roupa específica de determinada época, que deve ser consultada para fazer os trajes de forma correta, a gente primeiro passa por um trabalho de pesquisa e busca nas bibliografias”, explica. Através da estamparia, o tradicionalista relata que é possível realizar uma produção muito semelhante ao traje original.

“Se movimenta muito a economia, porque são costureiras e artesões de todo o Estado. Hoje o meu território é gaúcho, mas a gente trabalha com profissionais de todos os estados, e em cada canto, uma pessoa tem uma equipe que é especialista em fazer determinado acessório, determinada peça que compõe a pilcha”, destaca. Agora, com uma retomada gradativa dos eventos, Bilhar conta que está sendo possível recuperar algumas perdas adquiridas durante a pandemia. “Fomos muito afetados, a cultura meio que parou, então é uma felicidade imensa por estar aqui divulgando o meu trabalho e divulgando também a nossa cultura”, ressalta.

Veja o vídeo 

Confira a programação da Semana Farroupilha de Lajeado

 

14/09 – Terça-feira
19h30 – Abertura – Chegada da Chama e homenagem à Patrona
Apresentação dos alunos das Oficinas de Musicalização da Casa de Cultura
21h – Show de Ênio Medeiros

15/09 – Quarta-feira
17h – Show Farroupilha em Movimento, com Daniel Torres e Borghettinho, que percorrerão as ruas de Lajeado.

16/09 – Quinta- feira
20h – Show de Lisando Amaral
17/09 – Sexta-feira
19h – Orquestra de Concertos de Lajeado
21h – Batecasco

18/09 – Sábado
19h – Oração à terra
21h – Tornado da Vanera

19/09 – Domingo
17h – Grupo de danças da Aldeia Foxá (participação de Caroline Scariot)
19h – Orquestra Jovem de Lajeado
21h – Lida Bruta

20/09 – Segunda-feira
9h – Cavalgada (saída do Parque Ney Santos Arruda) com recepção no acampamento
17h – Show de Pablo Pereira
19h – Apagar da Chama e protocolo de encerramento, com participação do Grupo de Artes Nativas Anita Garibaldi
21h – Alma Crioula

Atividades paralelas:

Painel Anita Garibaldi: Neste ano, em todo o Rio Grande do Sul, a Semana Farroupilha será dedicada às comemorações pela passagem dos 200 anos do nascimento de Anita Garibaldi. Para aderir às comemorações do Estado, a artista Flávia Pozzobon irá retratar a figura de Anita Garibaldi em um painel, que será instalado no acampamento.

Texto: Gabriela Hautrive
reportagem@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui