Fazer atos de bondade aumenta níveis de bem-estar e felicidade

Pesquisa foi apresentada pela American Psychological Association.


0
Foto: Ilustrativa / Reprodução Pixabay

Praticar atos de bondade e ajudar outras pessoas pode ser bom para a saúde e o bem-estar. Os dados vem da pesquisa publicada pela American Psychological Association.

“O comportamento pró-social – altruísmo, cooperação, confiança e compaixão – são todos ingredientes necessários para uma sociedade harmoniosa e funcional”, disse o autor principal Bryant PH Hui, PhD, professor assistente de pesquisa da Universidade de Hong Kong.

“Faz parte da cultura compartilhada da humanidade e nossa análise mostra que também contribui para a saúde mental e física.” Estudos anteriores sugeriram que as pessoas que se envolvem em um comportamento mais pró-social são mais felizes.

Além disso, elas têm melhor saúde física e mental do que aquelas que não passam tanto tempo ajudando aos outros.

Estudo aprofundado

Para entender melhor o que impulsiona essa variação, Hui e seus colegas fizeram uma meta-análise de 201 estudos independentes, compreendendo um total de 198.213 participantes e analisaram a conexão entre comportamento pró-social e bem-estar.

No geral, eles descobriram que havia uma ligação modesta entre os dois. Embora o tamanho do efeito tenha sido pequeno, ainda é significativo, de acordo com Hui, dada a quantidade de pessoas que praticam atos de bondade todos os dias. “Mais de um quarto dos americanos são voluntários, por exemplo”, disse Hui.

Atos aleatórios de bondade

Aprofundando a pesquisa, publicada no Psychological Bulletin, Hui e seus colegas descobriram que atos aleatórios de gentileza, como ajudar um vizinho mais velho a carregar mantimentos, estavam mais fortemente associados ao bem-estar geral do que o comportamento pró-social formal, como voluntariado para uma caridade.

Isso acontece porque a ajuda informal é mais casual e espontânea e pode levar mais facilmente à formação de conexões sociais, de acordo com Hui.

Gentileza

Os pesquisadores também encontraram uma ligação mais forte entre a gentileza e o bem-estar eudaimônico, ou seja, na autorrealização – percebendo o potencial de alguém e encontrando sentido na vida – do que entre gentileza e bem-estar hedônico, que se refere à felicidade e sentimentos positivos.

Os efeitos variam de acordo com a idade, disse Hui, que iniciou esta pesquisa na Universidade de Cambridge. Os doadores mais jovens relataram níveis mais elevados de bem-estar geral, bem-estar eudaimônico e funcionamento psicológico, enquanto os doadores mais velhos relataram níveis mais elevados de saúde física.

Mulheres

Além disso, as mulheres mostraram relações mais fortes entre a pró-socialidade e várias medidas de bem-estar em comparação com os homens.

“Talvez porque se espera que as mulheres sejam mais atenciosas e generosas e, assim, derivem um sentimento mais forte de bons sentimentos por agir de acordo com essas normas sociais”, conclui o estudo.

Fonte: Só Notícia Boa/Com informações do GNN

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui