Governador se comprometeu em buscar alternativas compensatórias a pequenos e médios empresários, diz presidente da Amvat

Eduardo Leite anunciou a continuidade da bandeira preta em todo o estado por mais duas semanas, até 21 de março


1
Prefeito de Santa Clara Paulo Kohlrausch e presidente da Amvat (Foto: Nícolas Horn / Arquivo)

O presidente da Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat), Paulo Kohlrausch, relatou os destaques da reunião entre o governador e prefeitos na tarde desta sexta-feira (5). Eduardo Leite anunciou a continuidade da bandeira preta no Modelo de Distanciamento Controla do RS por mais duas semanas, até 21 de março, e que a cogestão só vai ser autorizada a partir de 22 de março. A orientação por recolhimento à noite, das 20h as 5h, deve permanecer até dia 31 de março. O lockdown (um fechamento geral mais duro), por outro lado, foi descartado em todo o estado neste momento da pandemia de coronavírus.


ouça a entrevista

 


O governo do estado também deve limitar os itens vendidos nos supermercados aos essenciais, para evitar aglomerações nestes centros de compras. O Piratini também alterará os protocolos da bandeira vermelha, para que, quando ela for adotada, as medidas sejam também mais rígidas.

Kohlrausch diz que o governador se comprometeu em buscar alternativas compensatórias às perdas registradas por pequenos e médios empresários de áreas como o comércio e setor de serviços. O presidente da Amvat cita que alguns prefeitos cobraram Leite pelo que entendem ser injustiças. Lembraram o caso de trabalhadores autônimos que não podem atender a clientes individuais enquanto há grandes movimentações em supermercados.

O gestor municipal diz que os prefeitos são pressionados em três frentes: um lado pede para liberar atividades econômicas, outro para serem mais rígidos, e um terceiro pedido é para interceder pelos hospitais na busca por mais leitos de UTI.

“Cada um, do seu jeito, está procurando fazer o melhor que pode para tentar minimizar essa dificuldade que a gente está vivendo”.

Texto: Tiago Silva
web@independente.com.br

1 comentário

  1. O Milk está tranquilo. Equilibrou o déficit estadual com dinheiro farto da pandemia aos estados. O resto, população e empreendedores que se virem. ICMS é todo mês e juros. AES, CORSAN etc cobram juros e cortam serviços, não querem nem saber.

    Pronto falei.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui