Indústria do entretenimento perde R$ 90 milhões com eventos cancelados

Executivos analisam crise e arriscam soluções.


0
Foto: Reprodução / Pexels

Além das mais de 241 mil mortes causadas por Covid-19 no Brasil e os quase 10 milhões de casos registrados da doença no país, a pandemia trouxe outros números alarmantes que acenderam o sinal vermelho em diversos setores, incluindo, o do entretenimento.

Segundo Doreni Caramori Júnior, presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape):

Mais de 350 mil eventos deixaram de ser realizados em 2020 (o número inclui shows, festas, congressos, rodeios, eventos esportivos e sociais, teatro, entre outros);

O que fez com que o setor deixasse de faturar ao menos R$ 90 milhões;

Hoje, 97 em cada 100 empresas não estão trabalhando;

Cerca de um terço das empresas fechou suas portas. E um terço das empresas vão ter muita dificuldade pra reabrir.

“No nosso caso, o setor está parado por obrigação. Não é que a gente não tem cliente, não é que teve uma mudança tecnológica que afastou as pessoas do entretenimento. O fato é que o setor está proibido de trabalhar.”

“Nesse momento, nós somos o setor vulnerável da economia e se nada for feito, certamente a gente vai ser responsável por um desemprego enorme e por outras cadeias que são ligadas com a gente e que vão perder todo esse faturamento”, afirma Doreni.

Há duas semanas, cerca de cinquenta profissionais do setor do entretenimento, principalmente do mercado sertanejo, se reuniram com o presidente Jair Bolsonaro e alguns ministros para pedir medidas.

Parado desde março, o setor pleiteia uma linha de crédito, entre outras propostas apresentadas para Gilson Machado, ministro do Turismo, e Mário Frias, secretário de Cultura.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui