“Janeiro a gente começa a vacinar todo mundo”, diz Pazuello

Confira as informações do programa Correspondente Independente das 8h.


0
Foto: Divulgação

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta terça-feira que a previsão é começar a vacinar a população brasileira contra Covid-19 em janeiro de 2021. Em reunião ministerial no Palácio do Planalto, Pazuello respondeu a pergunta da youtuber mirim Esther, escalada pelo presidente Jair Bolsonaro para questionar seus auxiliares, em tom de descontração, durante parte do encontro. Para a vacina desenvolvida por Oxford com a AstraZeneca, o governo federal acertou um protocolo de intenções que prevê a disponibilização de 30 milhões de doses até o fim do ano, e está concluindo as negociações para o pagamento e a assinatura de um acordo final que incluirá também a transferência de tecnologia para produção nacional, que deverá ser conduzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Vice-presidente do Afeganistão escapa ileso de ataque a bomba

O vice-presidente do Afeganistão, Amrullah Saleh, escapou ileso de um ataque a bomba nesta quarta-feira (9) em Cabul, no qual pelo menos duas pessoas morreram e outras 12 ficaram feridas, informaram fontes oficiais. O filho do vice-presidente, Ebad Saleh, que estava no veículo no momento da explosão, confirmou o estado de saúde do pai dizendo que não há mortos entre a família e que o vice-presidente está bem.

União Europeia vai enviar missão para observar eleições na Bolívia

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, anunciou nesta terça-feira (8) que o bloco vai enviar uma missão reforçada para observar as eleições gerais na Bolívia, marcadas para o dia 18 de outubro. Essa missão “redigirá um relatório, analisando como as eleições foram implementadas de acordo com as leis locais e internacionais, bem como as melhores práticas para eleições democráticas, e fornecerá recomendações para melhorar as eleições futuras”, segundo o relato do gabinete de Borrell.

Morre general Sydrião, chefe do Centro de Inteligência do Exército

O Exército confirmou nesta terça-feira a morte do general de brigada Carlos Augusto Fecury Sydrião. Nascido em Fortaleza, o chefe do Centro de Inteligência do Exército tinha 53 anos e diversas condecorações na carreira, entre elas o Mérito Tamandaré, destinada a autoridades que tenham prestado serviços de fortalecimento das tradições militares. Diversos veículos de imprensa registram que o general teria sido vítima de Covid-19. Em uma de suas últimas designações, o general Sydrião participou da missão humanitária que levou remédios, vestuário e mantimentos para a capital do Líbano, Beirute, atingida por uma explosão. A missão foi chefiada pelo ex-presidente Michel Temer. O general Sydrião foi adido de Defesa e chefe da Cooperação Militar Brasileira no Paraguai. Como general, era comandante da 7ª Brigada de Infantaria Motorizada.

Testes da vacina de Oxford suspensos após reação adversa em voluntário

A AstraZeneca, responsável pela produção da vacina de Oxford, suspendeu temporariamente os testes em fase três de sua vacina contra Covid-19. Conforme a CNN, a decisão ocorre após um voluntário apresentar reação adversa séria durante o estudo. Conforme um porta-voz da empresa AstraZeneca, o processo padrão de revisão desencadeou a pausa para permitir revisão de segurança do medicamento.

Ministra da Agricultura descarta intervenção em preços e diz que não vai faltar alimento

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que o governo não fará nenhum tipo de intervenção nos preços dos principais alimentos da cesta básica brasileira, que têm apresentado forte inflação nas últimas semanas, como arroz, feijão, leite, carne e óleo de soja. Há registros de crescimento de mais de 100% nas gôndolas de supermercados. Ao Estadão, Tereza Cristina afirmou nesta terça-feira que não há nenhum risco de desabastecimento desses produtos para o consumidor brasileiro, e que o governo monitora em tempo real a situação do mercado.

Morre ex-prefeito de Boqueirão do Leão, Ricardo Franciosi

O ex-prefeito de Boqueirão do Leão, Ricardo Franciosi, 63 anos, faleceu na madrugada desta terça-feira (8) no Hospital São Sebastião Mártir, de Venâncio Aires. Ainda não se tem a causa oficial de seu óbito, mas segundo informações extraoficiais, ele vinha sofrendo de problemas renais e no coração. Ricardo Franciosi foi prefeito de Boqueirão pelo PDT entre 1997 e 2000. Já no MDB, ele chegou a atuar na Secretaria da Agricultura do município, na atual gestão. O prefeito Paulo Joel Ferreira (MDB) decretou luto oficial de três dias na cidade. O velório de Franciosi ocorreu na tarde desta terça no Cemitério Municipal de Boqueirão do Leão. RS

Produção e apresentação: Júlio César Lenhard
Próxima edição: hoje, ao meio-dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui