Juiz Johnson recebe homenagem do MP de Lajeado com destaque para um “trabalho diferenciado”

Promotores de justiça entregaram uma placa e destacaram os dez anos de atuação do juiz na comarca de Lajeado. Ato ocorreu na manhã desta terça-feira.


0
Juiz recebeu uma placa com dizeres gravado em uma pedra (Foto: Gabriela Hautrive)

O juiz e diretor do Foro de Lajeado, Luís Antônio de Abreu Johnson (56), está deixando o cargo para assumir o posto de juiz-corregedor no Tribunal de Justiça em Porto Alegre (TJ-RS). O magistrado se candidatou e foi convidado para a função pela corregedora-geral do TJ-RS, desembargadora Vanderlei Teresinha Tremeia Kubiak. De forma virtual tomou posse na manhã desta terça-feira (10) e assumirá o novo compromisso na próxima sexta-feira (13) com ato previsto para às 14h.

Juiz recebeu uma placa com dizeres gravado em uma pedra (Foto: Gabriela Hautrive)

Antes de deixar a comarca, em homenagem aos seus dez anos de trabalho desempenhados em Lajeado, recebeu uma homenagem do Ministério Público. O ato ocorreu no auditório das Promotorias de Justiça, recebendo uma lembrança com dizeres gravado em uma pedra, com agradecimentos e elogios. Os promotores de justiça, Carlos Augusto Fiorioli, Sérgio Da Fonseca Diefenbach e Neidemar José Fachinetto, falaram sobre a trajetória e dedicação desempenhada por Johnson, destacando a realização de um trabalho diferenciado dentro do poder judiciário. O promotor Diefenbach iniciou a homenagem dizendo que não lembrava de outros momentos como este para profissionais que passaram pela casa, o que reforça ainda mais a importância que o juiz possui em Lajeado. “O nome dele merece ficar marcado na história, não só na justiça de Lajeado, mas também do Ministério Público”.

Dr. Johnson leu a dedicatória durante a cerimonia (Foto: Gabriela Hautrive)
Dr. Johnson leu a dedicatória durante a cerimonia (Foto: Gabriela Hautrive)

O promotor Neidemar José Fachinetto reforçou a lealdade nos serviços desempenhados pelo juiz. “Construímos uma relação de superação, admiração, respeito e parcerias. Um magistrado e juiz que se apresenta para comunidade, que está procura resolver as demandas de todos”. Fachinetto também falou sobre as relações de amizade que possui com Johnson. “Tivemos discussões intensas profissionalmente, mas depois estávamos fazendo um churrasco na casa dele juntos.”

O promotor Carlos Augusto Fiorioli citou dois momentos marcantes, que segundo ele, mostram as qualidades não somente do “Dr. Johnson”, como também da “pessoa Luís Antônio de Abreu”. “Lembro que na última eleição municipal, estávamos trabalhando em um sábado a tarde, como será no próximo final de semana, e quando cheguei em casa meu telefone tocou para uma diligência em Sério. Ele me ligou e disse para não por minha vida em risco, para não ir até lá, ali estava sendo meu amigo, e não o juiz, mostrando sua preocupação”, lembra. Fiorioli também falou sobre o juiz se colocar a disposição 24h por dia para demandas nas eleições, o que reforça seu comprometimento com a função que exerceu durante dez anos.

“Recebo a homenagem com muita honra e satisfação”

Em entrevista para reportagem da Rádio Independente, o juiz e diretor do Foro de Lajeado, Luís Antônio de Abreu Johnso, relatou que recebe a homenagem com muita honra e satisfação. “Foram dez anos de uma relação harmoniosa com todos aqueles que os denomino de colegas do Ministério Público”. O diretor do Foro também destacou grandes projetos que foram frutos desse trabalho coletivo. “Cito como exemplo a decisão de construir o Presídio Feminino de Lajeado”. Durante o ato na manhã desta terça-feira (10) o juiz relembrou um pouco de sua carreira, disse que passa um filme pela cabeça e sai com sentimentos divididos para assumir novos compromissos na vida profissional. “Um pouco de tristeza pela saída, mas de alegria por poder acender profissionalmente.”

Trajetória do juiz Johnson

Johnson tem mais de 41 anos de atuação no Poder Judiciário. Entre 1979 a 2004, foi servidor, tendo ingressado no Tabelionato de Notas da Comarca de São Jerônimo aos 14 anos. Tomou posse como juiz de Direito no dia 28 de fevereiro de 2005 na comarca de Encruzilhada do Sul. Depois, passou pelas comarcas de Rio Pardo, Santa Vitória do Palmar, São Luís Gonzaga e, por último, em Lajeado. Dentre algumas decisões que ganharam notoriedade na atuação em Lajeado, Johnson reconheceu, em 2012, um casamento gay realizado na Inglaterra entre um brasileiro e um britânico e permitiu, em 2015, o casamento civil, em Lajeado, entre dois imigrantes haitianos que não tinham documentação em Lajeado.

No mesmo ano, teve atuação importante na construção do novo albergue do sistema semiaberto do Presídio Estadual de Lajeado e, em 2016, na construção e inauguração do Presídio Feminino de Lajeado. Natural de São Jerônimo, Johnson foi juiz substituto em todas comarcas do Vale do Taquari. Em 7 de maio de 2015, recebeu o título de cidadão lajeadense da Câmara de Vereadores de Lajeado.

Texto: Gabriela Hautrive
producao@independente.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui