Laboratórios de Apoio ao Diagnóstico do Saúde Univates realizam simpósio de inovação e tecnologia em diagnósticos

Evento reuniu médicos na quarta-feira (6)


0

Os Laboratórios de Apoio ao Diagnóstico (LAD) do Saúde Univates foram concebidos com o intuito de ter, em um único prontuário, os dados dos exames laboratoriais de análises clínicas, patologia e biologia molecular do paciente. A integração dos três laboratórios em um único local permite também mais agilidade na liberação de resultados, auxiliando o corpo clínico no diagnóstico precoce. Para iniciar o diálogo entre laboratório e médicos do Vale do Taquari e apresentar os benefícios da integração laboratorial, o Saúde Univates realizou na noite da última quarta-feira (4), no auditório do Hospital Bruno Born, o 1º Simpósio de Inovações e Tecnologias em Diagnósticos.

O evento teve a participação do doutor Guilherme Portela Coelho, sócio-fundador e diretor do Grupo Diagnose, mestre em Cirurgia e médico patologista; do doutor André Anjos da Silva, coordenador do curso de Medicina da Univates, pós-doutor em Genética e doutor em Ciências; e da doutora Carla de Magalhães Karusky, consultora comercial da Mobius Life Science, doutora em Ciências.

O doutor Guilherme proferiu a palestra “Inovação em Diagnósticos na Patologia”. Além de apresentar a evolução dos equipamentos utilizados para o diagnóstico, resultantes de processos inovadores à sua época, Coelho abordou o papel da patologia no diagnóstico. “Hoje em dia é possível ter uma combinação de informações que permite um diagnóstico mais qualificado. Para inovar na patologia, eu acredito que seja necessária uma combinação de conhecimento técnico, curiosidade, inconformação e persistência. Tudo isso resulta em criatividade e, consequentemente, em inovações. Não basta ter uma ideia, é preciso colocá-la em prática para que seja uma inovação de fato”, afirmou. Coelho apresentou algumas inovações que facilitam e agilizam o trabalho dos profissionais da saúde e da equipe dos laboratórios, como o uso de QR codes em materiais e sistemas de preenchimento de prontuários integrados.

Já o coordenador do curso de Medicina da Univates proferiu a palestra “Inovação em Diagnósticos na Genética”. O doutor falou sobre genômica, explicando que o sequenciamento genômico tem se tornado cada vez mais acessível à população em geral, contribuindo para diagnósticos mais precisos. “A grande questão é: como levar essa inovação em genética para o dia a dia das pessoas? Eu acredito que é por meio do diagnóstico mais preciso, da predição de risco e da personalização do tratamento. Até então tínhamos alguns testes que eram realizados em cromossomos específicos a partir de uma dedução do médico em relação a uma condição clínica. Hoje em dia, com exames do tipo painéis moleculares (técnica de microarray) é possível identificar alterações genéticas sem evidências clínicas tão expressivas. É o caso de algumas síndromes e do Transtorno do Espectro Autista”, esclareceu.

Anjos também falou sobre a importância dos exames genéticos e sua aplicação em casos de câncer e condições cardíacas. “Outra inovação é o sequenciamento do exoma, ou seja, podemos olhar para as partes que compõem as proteínas de um gene. Podemos aplicar isso à farmacologia, que é a análise de resposta de um paciente a determinada medicação. Com todas essas inovações, não estamos tratando a doença, estamos tratando o paciente na sua especificidade”, finalizou.

Por fim, a doutora Carla ministrou a palestra “Inovação em Diagnóstico na Biologia Molecular”. Ela apresentou a tecnologia flow chip, um método que utiliza o PCR (Reação em Cadeia da Polimerase) a partir do DNA de bactérias, vírus, fungos e protozoários, avaliando até 36 patógenos e 20 genes de resistência em um único exame. O processo ocorre em um chip composto por uma membrana de nylon, que torna o diagnóstico mais rápido, sensível, simples e acessível. Atualmente está disponível a técnica de flow chip para painel respiratório (21 vírus e 3 bactérias), painel de sepse (36 patógenos e 20 genes de resistência), painel de doenças sexualmente transmissíveis e painel de HPV (genotipagem de alto e baixo risco). “O resultado é obtido em poucas horas e é de fácil interpretação. Isso proporciona mais segurança na prescrição de um tratamento direcionado”, explicou.

O LAD

Os Laboratórios de Apoio ao Diagnóstico ficam localizados no 13º andar do HBB, em uma área de aproximadamente 1.200 m2, e resultam de um investimento de R$ 10 milhões, dos quais R$ 4 milhões foram destinados apenas para a compra de equipamentos de ponta, sendo a maioria deles com tecnologia alemã. Saiba mais aqui. AI/VM


DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui