Lições de tropeços em campeonatos passados mantém o líder Inter com os “pés no chão”

Exemplos dos Brasileiros de 2006, 2008, 2009, 2010 e 2011 fazem o Colorado focar no jogo a jogo para buscar o titulo.


0
Foto: Ricardo Duarte/Internacional

Em meio a uma ascensão arrebatadora, a seis rodadas do fim do Campeonato Brasileiro, com quatro pontos de vantagem para o vice-líder, o mantra colorado é “não ganhamos nada ainda”. A cautela é justificada por vários motivos, entre eles as oscilações sofridas por todos os postulantes ao título, inclusive o próprio Inter, que chegou a cair da liderança para o sexto lugar, antes de ressurgir e voltar ao topo. A imprevisibilidade natural do futebol é outra razão. Mas há ainda mais um fator que desaconselha a euforia: o histórico. Nas edições mais equilibradas do Brasileirão, como essa, algumas surpresas aconteceram na reta final.

Em 2009, por exemplo, na 32ª rodada, o Flamengo estava em sexto lugar, com 51 pontos, e levantou a taça. Na ocasião, o Palmeiras era o líder com 57, seguido por São Paulo (55), Atlético Mineiro (53), Inter (52), Cruzeiro e Flamengo (51). O Verdão acabou em quarto lugar – o Inter foi vice e chegou a ser “campeão por alguns minutos”, enquanto o Flamengo perdia para o Grêmio no Maracanã, antes de buscar a virada. Aquela foi uma das quatro edições em que o vencedor foi conhecido na última rodada, desde que o campeonato passou a ser disputado por 20 times em pontos corridos, em 2006 – as outras foram em 2008, 2010 e 2011.

Em 2011, o Corinthians, líder da rodada 32, acabaria confirmando o título. Mas não sem dificuldades. O time paulista tinha 58 pontos, mesma pontuação do Vasco, e era seguido de perto por Botafogo, Fluminense, Flamengo e Inter. Nas seis rodadas finais, fez 13 pontos e terminou com 71, só dois a mais que o Vasco. Ou seja, um campeonato muito parecido com o atual, com vários candidatos vivos perto do fim, acabou sendo decidido nos detalhes.

Por outro lado, apenas dois líderes da rodada 32 não foram campeões. Além do já citado Palmeiras de 2009, o outro foi o Grêmio de 2008, que tinha 59 pontos e acabou ultrapassado pelo São Paulo (75 a 72).

Em preparação para não ter o mesmo fim que os dois times acima, o Inter voltou a treinar na tarde de terça-feira. Uma das novidades no time nessa reta final, Praxedes lembrou que o clima entre os atletas é de concentração total: “São seis finais. Vamos continuar nessa determinação e nesse trabalho, que vai dar tudo certo”.

Fonte: Correio do Povo

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui