Mafioso italiano que matou juízes, dissolveu garoto em ácido e se envolveu em 100 assassinatos ganha liberdade após 25 anos

Giovanni Brusca teve redução de pena ao se tornar delator. Com a colaboração dele, investigadores conseguiram condenar líderes da Cosa Nostra, um dos principais grupos mafiosos da Itália.


0
Imagem de 1996 mostra a prisão de Giovani Brusca (Foto: Tony Gentile/Reuters)

Um ex-mafioso da Itália que ficou preso durante 25 anos foi solto na terça-feira (1º), o que causou um sentimento de revolta entre os parentes das vítimas dele.

Giovanni Brusca, o ex-mafioso, foi o homem que detonou a bomba que matou o juiz Giovanni Falcone em 1992 —esse é um dos homicídios mais famosos cometidos pela máfia.
O ataque matou Falcone, a mulher do juiz e três policiais.

Meses depois, um outro juiz que atuava em casos que envolviam a máfia, Paolo Borsellino, foi assassinado.

Brusca foi preso em 1996. Ele converteu-se em delator e ajudou o Ministério Público a investigar clãs do grupo mafioso Cosa Nostra.

Em sua confissão, relatou ter participado de mais de 100 assassinatos, inclusive um de um garoto de 14 anos, que foi dissolvido em ácido (o garoto era filho de um informante da máfia que colaborava com a polícia).

Rosaria Costa, a viúva de um policial que Brusca matou, afirmou que Brusca só se tornou delator pelos benefícios em sua pena, mas que ele não o fez por escolha íntima.

Maria Falcone, irmã de um dos juízes que Brusca matou, afirmou estar triste, mas que Brusca tem direito de sair da prisão.

Vida de informante

Ao se tornar informante da polícia, Brusca ajudou os investigadores com casos de ataques feitos pela Cosa Nostra nos anos 1980 e 1990. Foram casos de bombardeios na ilha da Sicília e na Itália continental.

Ele foi testemunha em um processo que apurava se houve acordos entre policiais e a máfia.

A soltura também foi criticada por políticos italianos.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui