Maior escola de Estrela, Emef Leo Joas será reerguida em novo endereço, mas no mesmo bairro

Destruída pela enchente de maio, a escola permanecerá no Bairro das Indústrias; foi confirmado pela prefeitura a aquisição de um terreno no valor de R$ 1,4 milhão


0
Foto: Ismael Salvatori / Divulgação

A Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Leo Joas, que sofreu graves danos durante a enchente de setembro de 2023, e após em maio ser ainda mais castigada pela força das águas, será reconstruída em seu bairro berço, mas em novo endereço. Atenta à demanda e aos desejos de moradores, alunos, pais e professores locais, a gestão municipal empreendeu esforços para seguir com a maior escola de Estrela no mesmo bairro. Para tanto, a aquisição de uma nova área foi necessária. O novo endereço foi confirmado nesta quarta-feira (12) pelo prefeito Elmar Schneider e a secretária de Educação, Elisângela Mendes.

Ao preço de R$ 1,4 milhão, a administração municipal adquiriu um terreno de 2,5 mil metros quadrados na esquina das ruas João Inácio Sulzbach e Henrique Uebel, único espaço com capacidade para o projeto no bairro e fora da área alagável. “A decisão foi embasada desde o início pelo desejo da gestão em manter a escola na mesma região, não apenas visando garantir a continuidade e o conforto da comunidade escolar, mas também como sinal de fé e esperança na reconstrução do bairro e da cidade. Mas é preciso destacar o esforço que foi desprendido para isso se tornar viável, o quanto antes. Mas trata-se apenas do começo”, enfatizou a secretária Elisângela Mendes.

Emef Leo Joas castigada pela enchente (Foto: Giovane Souza)

Já há um pré-projeto para a construção de uma escola modular, em uma solução moderna, rápida e que de forma otimizada permitirá a retomada das atividades escolares da Leo Joas no menor tempo possível. A escola modular seria própria para manter a capacidade de cerca de 600 alunos em um terreno que é menor do que o anterior. “Por isso, a princípio, o mesmo será em dois pavimentos. Antes mesmo da aquisição do terreno já estávamos atrás de recursos federais e da iniciativa privada para darmos andamento ao projeto”, reitera ela.

Atualmente, os quase 600 alunos da Emef Leo Joas foram realocados para a Emef Odilo Afonso Thomé. Alguns pediram transferência para outras escolas em função de mudanças de bairro. A realocação temporária, mas rápida, foi essencial para assegurar que os alunos não tivessem interrupções em seu ano letivo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, coloque o seu nome aqui